A Ordem da Cavalaria

Nobres Cavaleiros da Ordem Sagrada dos Soldados Companheiros de Jacques de Molay.
A Cavalaria foi um sistema de ideais éticos desenvolvidos entre os Cavaleiros da Europa medieval. Surgindo fora do FEUDALISMO do período, combinou as virtudes militares com aquelas do Cristianismo, como é contado na lenda de ARTUR na Inglaterra os CHENSONS de GESTE da França medieval.

A palavra Cavalaria é derivada do francês CHEVALIER, a qual significa Cavaleiro (aquele que monta cavalos). A Cavalaria foi um código de condutas no qual os Cavaleiros supostamente se guiavam. Em adição à destreza e valor militar, lealdade a DEUS e aos Lorde feudal do Cavaleiro, ele devia ser cortês perante os inimigos e generoso para com os fracos e oprimidos, viúvas e outras pessoas debilitadas em relação aos demais.

Também incorporado ao ideal estava o AMOR PLATÔNICO devoção romântica para uma mulher sexualmente inatingível, normalmente a mulher de um outro homem. A veneração pela Virgem Maria teve um grande papel nesse conceito.

Os ideais da Cavalaria influenciaram a fundação de Ordens religioso-militares durante o período das Cruzadas, tendo relevância os TEMPLÁRIOS e os HOSPITALÁRIOS, além dos Cavaleiros Teutônicos e as Ordens espanholas de Alcântara, Calatrava e Santiago. No final da Idade Média, regras formaram ordens seculares de Cavalaria tais como a “Ordem Inglesa da Jarreteira ” em 1349 e a “Ordem Burgúndia do Velo Dourado” em 1429. Por este tempo, porém, a Cavalaria tinha se tornado um mero sistema de etiqueta. Torneios, nos quais os Cavaleiros originalmente tinham arriscado suas vidas em “justas” (combates) por causa de damas, tornaram-se simplesmente elaboradas, estilizadas e um entretenimento inofensivo. Ainda mais, o gasto com isso e outros adornos da Cavalaria levou muitos nobres que eram elegíveis à Cavalaria (serviram o costumeiro período de aprendizado de 7 anos como um pajem de uma corte nobre e outros 7 anos como escudeiros para um Cavaleiro) a não se tornarem verdadeiramente Cavaleiros. Da Cavalaria, sempre largamente presente na literatura, vem o conceito moderno de CAVALHEIRO (gentleman).

Os anos da Cavalaria ainda permanecem para nós como um tempo de glória e pompa. Os mais nobres preceitos do código dos Cavaleiros são legados de tempos passados que sobreviverão em todas as instituições humanas e serão parte eterna da herança de nossa raça.

Nos é difícil explicar o início e crescimento da Cavalaria; ela é obscura em muitos detalhes. Para nós as palavras “Knights” e “Knighthood” são formas modernas do inglês arcaico no qual possuía o significado de jovem ou rapaz e correspondia ao segundo período da vida, entre a infância e a maioridade. Porém, na metade do século XII, ele passou a ter o significado de “Chevalier” da França. A Cavalaria foi um código de condutas no qual os Cavaleiros supostamente se guiavam. Em adição à destreza e valor militar, lealdade a DEUS e aos Lorde feudal do Cavaleiro, ele devia ser cortês perante os inimigos e generoso para com os fracos e oprimidos, viúvas e outras pessoas debilitadas em relação aos demais.

Nós desta Ordem traçamos nossa linhagem até Jacques DeMolay, um francês, o último Grão-Mestre da Ordem dos Templários, que foi queimado vivo em 1314 em uma pequena ilha às margens do rio Sena, em frente à Catedral de Notre Dame, em Paris.

Os Cavaleiros desta Ordem estão dedicados ao Amor a Deus, Amor à Família e Amor à Pátria. Nós aceitamos em nossas fileiras apenas aqueles que, pela prática e devoção à causa do bem, lideram em todo campo de empreendimento. Como os Cavaleiros do passado, nós nos consagramos à proteção dos fracos e necessitados, dos oprimidos e dos que sofrem, e para construir uma ponte da Cavalaria para uma vida melhor, aonde as pessoas do mundo poderão atravessá-la para uma vida mais harmoniosa e branda.

O primeiro Convento começou com o Capítulo Mãe de Kansas City, Missouri, e recebeu sua Carta Constitutiva em 27 de outubro de 1947. Em 10 de janeiro de 1948, o Convento Mãe fez sua primeira Investidura, no Templo Maçônico Ivanhoe, sendo Everett L. Davis o primeiro Ilustre Comendador Cavaleiro.

Os primeiros Nobres Cavaleiros eram Chevaliers do Capítulo Mãe. As Esporas Douradas usadas na primeira investidura estão a mostra na Sala Memorial de Frank S. Land na sede do Supremo Conselho Internacional da Ordem DeMolay. A primeira Convocação Internacional foi realizada de 4 a 7 de julho de 1974 em Erlanger, Kentucky. Ela marcou o lançamento oficial do programa de revitalização dos Nobres Cavaleiros.

Mas, enfim, quem são os Cavaleiros? Eles são DeMolays reconsagrados, na idade de 17 a 21 anos. Por serem reconsagrados, os Cavaleiros são sempre lembrados que juramos em dobro, e por isso nos Conventos há 14, e não 7 velas acesas. Cada ato deve ser pensado duas vezes, de forma que não quebremos os valores das Virtudes Cardeais. Os Nobres Cavaleiros atuam em todos os campos de atividades, empreendimentos e tentativas – em posições de liderança na Ordem DeMolay, liderança na Igreja, comunidade e na escola. Através dos Nobres Cavaleiros, os DeMolays estão “Unidos em Serviço e Companheirismo”.

A Cavalaria na verdade é uma organização filiada à Ordem DeMolay. Seu nome oficial é Nobres Cavaleiros da Ordem Sagrada dos Soldados Companheiros de Jacques DeMolay. Sendo assim, os Conventos naturalmente precisam dos Capítulos para que tenham um bom funcionamento. Se os Capítulos forem fracos, os Conventos também são, já que dos primeiros que saem os Irmãos que se tornarão Cavaleiros. Portanto, nós, Cavaleiros, devemos continuar sempre nossos trabalhos nos Capítulos, para que nossos Irmãos mais jovens não sofram da necessidade de nossa companhia e assistência.

Os Conventos, organizados a nível jurisdicional, possuem seu próprio Ritual e Oficiais: Ilustre Comendador Cavaleiro, Comendaor Escudeiro, Comendador Pajem, Protocolista, Preceptor, Prior, Primeiro Diácono, Segundo Diácono, Porta Estandarte, Sacristão, Organista, Sentinela e Arauto. Os Nobres Cavaleiros possuem dois graus aprovados, chamados Ordens (devido aos seus Rituais serem baseados no Rito York da Maçonaria), que são conferidas em Investiduras. Existem a Ordem da Cavalaria e um grau opcional, a Ordem do Ébano. Conclaves, Convocações e reuniões provam a união fraternal entre os Nobres Cavaleiros. Os Cavaleiros elegem seus próprios líderes e planejam e executam seus próprios projetos, atividades e eventos sociais.

Os DeMolay’s mais velhos possuem muitos interesses que são diferentes dos interesses dos mais jovens. Qualquer coisa que os DeMolay’s mais velhos gostem de fazer, os Nobres Cavaleiros são capazes de fornecer, como diversão, festas, jantares e outras atividades em grupo. Tio Land disse, “Os Nobres Cavaleiros não é um grau honorário ou prêmio. Eles são um corpo que trabalha criado para atender as atividades que os mais velhos necessitam e desejam”. Eventos sociais para os membros, convidados e parentes ajudam criar um entusiasmo enorme para cada Convento. A maioria das atividades do Convento são em grupo.

Próximos de nossa maioridade, devemos sempre estar vigilantes para proteger nossas liberdades, até que todos os homens reconheçam o valor das liberdades com as quais Ele nos abençoou. A troca do Capítulo pelo Convento é explícita em nossas Cerimônias, quando Mestre Conselheiro cita que deveremos nos preparar para usar a Coroa da Maioridade, e é aqui no Convento que fazemos esta preparação.

Cavaleiros servem os Capítulos, distritos e Jurisdições através de times ritualísticos, escolta, assistência no planejamento e execução da maioria das atividades dos Capítulos. Anualmente os Conventos patrocinam competições desportivas, torneios de Ritualística, e etc. Os Nobres Cavaleiros procuram expandir sua caridade através da ajuda às atividades filantrópicas da Maçonaria. Lembrem-se que o cavalheirismo não é uma instituição que morreu, mas que sobrevive nas colunas DeMolay, e que nos será útil por toda a vida, pelo menos enquanto estivermos defendendo o que é certo.

O último grau nesta escala é a Ordem do Ébano, que é concedido aos Cavaleiros que tenham completado 19 anos de idade. Muito mais próximos do momento da Maioridade, os Cavaleiros têm de decidir entre os dois caminhos que estão sempre a frente de todo o mundo: o caminho das Luzes ou o Caminho das Trevas. Nesta Cerimônia, mostramos aos DeMolays o que pode lhes esperar em ambos os lados, e a eles cabe a decisão de qual seguir.

A Ordem da Cavalaria (na verdade Nobres Cavaleiros da Ordem Sagrada dos Soldados Companheiros de Jacques de Molay), chegou ao Brasil somente em 1993, pelas mãos do Sereníssimo Grão-Mestre, Tio Alberto Mansur, com a fundação do primeiro Convento de Cavaleiros, o Sir Percival de Gales, na cidade do Rio de Janeiro. Apesar disso, o Grau demorou a se espalhar pelo Brasil. Primeiramente alcançou somente os DeMolays que viajavam ao Rio e lá descobriam que esse Grau existia e estava em funcionamento no Brasil.
O Brasão da Ordem da Cavalaria

COROA DA JUVENTUDE
Nos lembra nossa servidão para que quando a troquemos pela Coroa da Maioridade, esta possa brilhar cada vez mais.

ESPADAS CRUZADAS
Denotam justiça, força e cavalheirismo. Elas simbolizam a incessante luta de DeMolay contra a arrogância, despotismo e intolerância.

CRUZ DE CINCO PONTAS
Simboliza a pureza de intenções e nos recorda o lema da Ordem DeMolay, “Nenhum DeMolay jamais fracassa como um cidadão, como um líder ou como um homem”.

RAMO DE OLIVEIRA
Na esquerda denota prontidão e devoção no servir.

RAMO DE LOUROS
Na direita denota honra e vitória

Os cargos de um Convento de Cavaleiros são:

Cargos no Convento Correspondente no Capítulo
Ilustre Comendador Cavaleiro Mestre Conselheiro
Ilustre Comendador Escudeiro Primeiro Conselheiro
Ilustre Comendador Pajem Segundo Conselheiro
Protocolista Escrivão e Tesoureiro
Preceptor Mestre de Cerimônias
Sacristão Preceptores
Primeiro Diácono Primeiro Diácono
Segundo Diácono Segundo Diácono
Prior Capelão
Sentinela Sentinela
Porta Estandarte Porta Bandeira
Organista Organista

Você pode gostar...

Deixe uma resposta