As Jóias dos Cargos em Loja

 
Share Button

Uma jóia maçônica é, em seu caráter estrito, um pequeno adorno de metal destinado para uso dos iniciados, porém de valor figurado, onde se distingue o grau ou o cargo.

Na Grande Loja, as jóias dos cargos são presas aos colares, os bastões do Mestre de Cerimônias e dos Diáconos, são encimados com as jóias dos respectivos cargos.

As cores das jóias são as seguintes: metal branco para as Lojas e metal amarelo-ouro para as Grandes Lojas, os Altos Corpos e a Alta Administração. Na análise das jóias aprovadas e adotadas pela Ordem correspondem aos cargos administrativos da Oficina, visa-se apresentar o que elas traduzem para
os maçons.

AS JÓIAS DOS CARGOS EM LOJA

Venerável Mestre – Uma esquadria como emblema da equidade e regularidade rigorosas, suspenso no Colar; significa que um chefe deve ter, unicamente, um sentimento – o dos Estatutos da Ordem -, e que deve agir de uma única forma: com retidão. Não se admite qualquer outra jóia para o cargo.

1º Vigilante – Um nível simboliza a presteza e a igualdade social, base do Direito Natural. O NÍVEL sem PRUMO nada vale, do mesmo modo que este sem aquele em qualquer construção. Devido a isso, os dois se completam para mostrar que o Maçom tem o Culto da Igualdade, assim, nivelando todos os homens e cultuando a retidão. Não se deixará pender ou pela amizade ou pelo interesse, para qualquer dos lados.

2º Vigilante – Um prumo representando a vertical diretora do espírito nas coisas profundas. Significa que o Maçom deve ser reto no julgamento, sem se deixar dominar pelo interesse e afeição.

Orador – Um livro aberto ou um sol significando o esclarecimento da lógica pura. Na Loja ele é o representante do Ministério Público Maçônico, cabendo-lhe defender e aplicar a Legislação Maçônica em todas as oportunidades, sendo denominado “Guarda da Lei”.

Secretário – Duas penas cruzadas (essas penas são imitações de penas de aves usadas para escrita na antiguidade) como emblema do ardor e zelo pela fidelidade, uma das cinco Dignidades da Loja. Tem a seu cargo a redação das atas e correspondências da Oficina. Pede diretamente a palavra ao Venerável que lhe pode conceder com a preferência sobre outro. É um dos cargos que mais requer atividade.

Tesoureiro – Uma chave que simboliza ter o controle do cofre da Loja, sendo assim, símbolo de segurança e confiança tácitas. Tem a seu cargo a cobrança e a guarda dos fundos da Loja, efetuando ou verificando os pagamentos. O Tesoureiro deve cumprir fielmente os deveres indicados nos Regulamentos Gerais da Potência que sua Loja pertence e no Regulamento Interno da Oficina.

Expertos – Um punhal representando a prudência e a vigilância. O segundo experto pode usar também uma clepsidra (relógio antigo d’água), indicando a preciosidade do tempo. A clepsidra, posteriormente transformada na ampulheta, classifica o irmão que encaminha os postulantes para a Câmara de Reflexão, como instrumento marcador do tempo ela limita o prazo que é dado ao profano para responder o questionário filosófico. Colocada sobre o Altar do Venerável, deixa transparecer a idéia da necessidade de pronta ação no desempenho de todas as missões confiadas pela Ordem ou pela Loja.

Diáconos – Uma pombinha com as asas abertas, inscrita em um triângulo. Destinada ao Primeiro Diácono e livre (sem o triângulo); destinada ao 2º Diácono emitindo a idéia da comunicação como base para os bons entendimentos. As pombinhas dão um encanto às jóias dos Diáconos, indicam a natureza litúrgica da função desses oficiais da Loja. Na antiguidade, os pombos eram usados como mensageiros para longa distância dada à inexistência de outros meios de comunicação.
A alfaia do cargo, além de estar pendente da faixa, deverá estar presente, também, no topo dos bastões dos Diáconos. Na abertura e no encerramento dos trabalhos em Loja, os Diáconos têm a função de receber e transmitir a Palavra Sagrada. No REAA, cabe ao 1º Diácono transmitir as ordens do Venerável Mestre ao 1º Vigilante e a todas as Dignidades e Oficiais, de modo que os trabalhos se executem com ordem e perfeição; já, ao 2º Diácono cabe, também, ser o executor e transmissor das ordens do 1º Vigilante e velar para que todos os Irmãos se conservem nas Colunas com o devido respeito, disciplina e ordem.

Hospitaleiro – Uma bolsa fechada simbolizando a benesse da caridade, esta última é mão que se abre para a esmola, que arranca da miséria, é a mão que protege
e se desfaz numa constelação de benefícios, mas segundo a preceituação maçônica, deve ser sempre oculta para não exaltar a quem dá nem humilhar a quem recebe, para tanto, a bolsa do Hospitaleiro apresenta-se sempre fechada para os olhares perscrutadores.

Chanceler (ou Guarda dos selos da Oficina) – Um sinete cilíndrico. Sinete é um utensílio que serve para gravar em lacre, papel etc.. Com ele o Chanceler grava o timbre da Oficina nas documentações, sintetizando garantia e autenticidade. Tem a seu cargo a guarda dos selos e timbres e os põe nos documentos principais, registrando-os em livro especial por ordem cronológica em índice de assunto. A ordem, exatidão, zelo, critério e assiduidade aos trabalhos são requisitos indispensáveis para chegar-se a este honroso cargo confiado ao Mestre mais antigo ou ao decano em idade.

Mestre de Cerimônias – Uma régua demonstrando o gênio do conhecimento perfeito e completo do formalismo. Além de estar pendente da faixa, deve estar no topo do seu bastão. No REAA, é o Oficial que tem a prerrogativa, sem necessariamente ser determinado ou ordenado de se locomover livremente no interior do Templo durante os trabalhos em Loja. Por este motivo, fica sob sua responsabilidade tudo o que está previsto no Ritual do REAA em vigor na GLESP.

Mestre de Banquetes – Uma cornucópia com dois bastões cruzados significando a moderação diante da fartura. A cornucópia, na sua forma de chavelho cheio de frutos e flores, nos tempos de antanho, era o símbolo mitológico da abundância e elemento da felicidade. A Maçonaria apanhou-a como símbolo da fatura adquirida pelo trabalho honesto, indicando aos Mestres de Banquetes os irmãos que dirigem a mesa para supri-los convenientemente.

Porta-Estandarte – Um estandarte de metal, insígnia que engrandece, enobrece e honra a Loja. Os Estandartes aparecem desde os primeiros tempos da Maçonaria especulativa como uma continuação da tradição das antigas confrarias e corporações profissionais medievais, que tinham por seu estandarte a maior veneração e respeito.

Porta-Espada – Uma espada militar, seu emblema refere-se à força e o direito conjugados, símbolo do poder em todas as solenidades e cerimônias da Ordem. Com um simbolismo vastíssimo, a espada é um dos acessórios mais usados nas cerimônias maçônicas. No seu aspecto mais vulgar, é a arma da vigilância por meio do qual o iniciado procura defender os nossos augustos mistérios de toda intromissão violenta do mundo profano. 

Porta-Bandeira – Uma bandeira em metal. A Bandeira é a ultima a entrar no templo como a mais alta autoridade presente. É conduzida pelo Porta Bandeira verticalmente. Ao entrar, a Bandeira ficará entre CCol.·., enquanto é feita a execução do Hino Nacional.

Cobridor Externo – Um alfanje caracterizando a constância e o cuidado, reforçando o conceito de segurança, que, no caso, tem que ser a mais rígida e mais abrangente. O alfanje do Cobridor simboliza a pronta vigilância posta ao serviço de defesa do Templo.

Arquiteto – Um maço e um cinzel alegoria da arte estrutural. A trolha de pedreiro como jóia do Arquiteto distingue o obreiro encarregado da conservação do edifício, da decoração do Templo propriamente dito, da limpeza dos móveis, das alfaias e demais utensílios da Loja. Não tem interpretação esotérica, mas simboliza, contudo, a tolerância e a indulgência que os iniciados devem abraçar para enobrecerem seus sentimentos.

Mestre de Harmonia – Uma lira, símbolo dos sentimentos apurados, símbolo da música. A arte de Orfeu leva efetivamente aos maçons a convicção tranquila de que a contemplação, o arrebatamento e a emoção causados pelos acordes musicais, provocam as melhores disposições de espírito, prodigalizando aos iniciados os mais puros pensamentos de fraternidade e de elevação da alma.

Guarda do Templo – Duas espadas cruzadas mostram que o titular do cargo zela pela segurança interna dos trabalhos; sua alegoria mostra a inviolabilidade e o respeito, já que a ele compete velar para que o Templo fique coberto a olhares profanos.

Bibliotecário – Uma pena sobre um livro aberto relativo ao oficial que superintende e é responsável pelos livros e documentos, organizados, ordenados e guardados em estantes para estudo, leitura e fontes de consulta para trabalhos dos Obreiros da Loja.


Texto retirado do site: http://bodesdaluz.blogspot.com/2010/06/simbologia-das-joias.html

Retirado da Revista Palavra Maçônica nº 12
Fonte:  http://bodesdaluz.blogspot.com

Cofundador e Administrador do Portal Brasil Maçom, Administrador da Loja Virtual Atelier do Maçom, Mestre Maçom Iniciado na ARLS Cidade de Vila Velha 89, Jurisdicionada à Grande Loja Maçônica do Estado do Espírito Santo (GLMEES), Designer, Programador e Desenvolvedor .NET de Sistemas WEB.

Deixe uma resposta