FATOS DESTAQUES, CULTURA, REFLEXÃO MAÇÔNICA E COMEMORAÇÕES 1º DIA DE JANEIRO

 
Share Button

FATOS MAÇÔNICOS PARA O DIA 01 DE JANEIRO:

1735 Nasce Ir.’. PAUL REVERE, figura importante na independência americana e depois Grão-Mestre da GL Massachussets.

1776 O líder da Revolução Norte-Americana, apresentou a primeira bandeira nacional dos Estados Unidos.George Washington, grão-mestre da Loja Alexandria, teria aparecido de avental cerimonial no lançamento da pedra fundamental da nova cidade.

1797 Nos registros do BURYNEWPORT CHAPTER, USA, consta que Irmãos foram recebidos e reconhecidos MUI EXCELENTES MESTRES, em 1797.

1822 José Clemente Pereira exorta D.Pedro a decidir-se pela nossa independência com discurso preparado por Januário da Cunha Barbosa e Gonçalves Ledo.O Pod. Ir. José Clemente Pereira é, não há dúvida nenhuma, um dos próceres da Independência Brasileira. Colocado na presidência do Senado da Câmara, em 1822, nesta alta função política trabalhou dedicada e esforçadamente em prol do ideal de nossa patria, fazendo aprovar, no antigo Paço Municipal, todas as medidas, propostas na Maçonaria, que, em nome do povo e a bem do pais, era necessário pedir a D. Pedro 1º , tais como o “Fico”, o Conselho dos Procuradores das Províncias, o Titulo de Defensor Perpétuo do Brasil e a Convocação da Constituinte, além das resoluções mais importantes do governo, cuja iniciativa ele não podia tomar.

Dentro da Ordem, Clemente Pereira constituía, com Ledo e Januário Barbosa, a trindade bem dita que, sempre de acordo, pensava e resolvia os planos indispensáveis a emancipação do Brasil e, depois, os vinhas executar, no Senado da Câmara, o primeiro, no “Reverbero”, pela pena Adamantina, e na praça pública, por sua oratória inflamada e eloqüente o segundo, e ainda no mesmo patriótico jornal, o terceiro desses inesquecíveis IIr.

1856 O Grande Oriente do Brasil em 01/01/1856 adotou como oficial o calendário do Rito Moderno.

1876 – ¨ Angelo Agostini ¨ (1833 – 1910) Funda a Revista Ilustrada.O DESENHISTA ITALIANO“ANGELO AGOSTINI”, CRIADOR DA PRIMEIRA HISTÓRIA EM QUADRINHOS BRASILEIRA E UMA DAS MAIS ANTIGAS DO MUNDO, FUNDA A REVISTA ILUSTRADA

1895 – O GENERAL EMÍLIO AGNALDO, Maçom, em 12 de junho de 1898, logo após a expulsão dos espanhóis, proclamou a independência das Filipinas. Agnaldo mandou colocar o triângulo maçônico na bandeira das Filipinas, que nela permanece até hoje. Entretanto, muito pouco tempo depois, os americanos, que haviam ajudado os filipinos a expulsarem os espanhóis e que haviam prometido dar independência àquele país, além de não cumprirem sua promessa, prenderam Agnaldo e tornaram aquela independência sem efeito. Agnaldo foi elevado a mestre maçom em 01/01/1895, na Loja Pilar no. 203, em Cavite, Filipinas.

1901 INICIAÇÃO DE THEODORE ROOSEVELT, PRESIDENTE AMERICANO, NA MATINECK LODGE N.º 806, EM OYSTER BAY, NEW YORK.

1920 Fundada a GL Nacional da Colômbia, Cartagena,

1927 – Circula o primeiro número da revista ASTRÉA, órgão oficial do Supremo Conselho de Mário Behring, ao preço de 2$000.

1938 A Grande Loja Simbólica da Alemanha, já tinha sido dissolvida em 08 Agosto de 1935,
Os Templos maçônicos são saqueados, e muitos maçons alemães são presos e assassinados.
A Grande Loja de Hamburgo recebe asilo da Grande Loja de Chile onde continua seu trabalho maçônico.
No dia 1º de Janeiro de 1938 o partido nacional socialista de Hitler lança um manifesto contra à maçonaria.

Fonte: Grande Secretaria da Educação e Cultura/GOU
Grande Oriente Universal

CULTURA MAÇÔNICA I

ANO NOVO MAÇÔNICO
O calendário maçônico é a maneira particular utilizada pelos maçons para numerar os anos e designar os meses.

O ano um do calendário maçônico é o Ano da Verdadeira Luz – Anno Lucis em Latim. Ele marca o início da Era da Verdadeira Luz (VL). Antes que o Anno Lucis aparecesse a partir do século XVIIIe nos documentos ingleses, os temos Anno Masonry e depois Anno Latomorum , Anno Lithotomoru ou Anno Laotomiae (Era dos Cortadores de Pedra)1. A datação do Ano da Verdadeira Luz seria baseada nos cálculos de James Ussher, prelado anglicano nascido em 1580 em Dublin. Ele tinha desenvolvido uma cronologia começando com a criação do mundo segundo o Genesis que ele estimava em 4000 A.C. baseando se no texto Massorético ao invés da Septuaginta 2.

O Pastor Anderson a defendeu em suas Constituições de 1723 para afirmar simbolicamente a universalidade da Maçonaria através da adoção de uma cronologia supostamente independente de particularidades religiosas, pelo menos no contexto britânico da época . A data escolhida para o início da Era maçônica é 4000 antes da Era Comum.

O ano maçônico tem a mesma duração do ano gregoriano, mas começa em 1o de Março como o ano Juliano ainda em vigor na época da redação das Constituições de Anderson. Ela tomou o milésimo do ano gregoriano em andamento e aumentou 4000, os meses são designados apenas por seus números ordinais.

Exemplos:

29 de Fevereiro de 2004 era o 29o dia do 12o mês do ano 6004 da Verdadeira Luz

O ano maçônico tem duas festas: São João de Verão (João Batista, comemorado em 24 de junho) e São João de Inverno (João Evangelista, comemorado em 27 de Dezembro), coincidindo simbolicamente com os solstícios.

Fonte: (Wikipedia)

CULTURA MAÇÔNICA II

PAPEL SOCIAL DO MAÇOM
Em princípio é importante admitir que homens e mulheres se comportem de formas diversas em situações sociais diferentes e assumam papéis distintos, devido às expectativas que a sociedade coloca sobre eles (incluindo estereótipos e preconceitos). Portanto, comportamento humano é guiado por expectativas mantidas tanto pelo indivíduo como por outras pessoas.

A teoria dos papéis sociais é baseada na noção de que as ações, comportamentos, atitudes e desejos são conformados por um conjunto de funções específicas, socialmente determinadas. Assim a teoria do papel social admite que a sociedade construa um conjunto de normas socialmente aceitáveis, cria expectativas de que as pessoas internalizam esses valores e acatando-os se tornam socializados. Por consenso tácito, certos comportamentos são considerados adequados e outros inadequados. As pessoas podem então escolher entre aceitar essas normas ou agir contra elas.

Alguns papeis são específicos para determinadas situações e só podem ser assumidos dentro de um determinado contexto. Por exemplo, o papel da esposa ou do marido só pode existir dentro do contexto de um casamento. Da mesma forma, quando um médico entra em um hospital ele desempenha o papel de um médico. Quando o médico vai para casa, para sua família, ele desempenha o papel de marido ou pai. Assim também o papel de maçom é desempenhado em determinados momentos na vida do individuo.

Ao longo da vida, desempenhamos uma variedade de funções, os papeis serão determinados pelas expectativas e contextos sociais em que nos encontrarmos. No trabalho, por exemplo, uma pessoa pode desempenhar o papel de chefe ou subordinado. Esta mesma pessoa pode desempenhar o papel de amigo, bebendo com companheiros em um bar, depois ir para casa e agir com a esposa como marido.

Quando agimos fora do contexto de uma determinada função, estamos desenvolvendo um estereótipo, eles são em grande parte os resultados de expectativas internas ou externas. Um estereótipo é geralmente o resultado de preconceitos desenvolvidos com base em atitudes discriminatórias. Pode-se agir sob o domínio de um estereótipo, mas então não estamos desempenhando um papel social, mas, obviamente, agindo equivocadamente. Geralmente, os papéis são legítimos quando são combinados com as funções. Quando eles são puramente estereótipos, eles existem não como realidades sociais, mas como ficções discriminatórias.

O maçom na atualidade não pode se apegar em como a Maçonaria contribuiu para a construção e consolidação da Nação, para pautar seu papel social, pois estaria cultivando um estereótipo. Como a Sociedade, ela sofreu processos simultâneos de burocratização e expansão global; a Maçonaria sofreu uma grande transformação. Apesar de sua consistente historia elitista, ela passou a ser uma instituição relativamente aberta, que inclui homens de várias religiões, classes sociais e políticas, e se tornou cada vez mais laica, de classe média, aberta e inerme ao longo do tempo.

A Maçonaria busca admitir qualquer homem livre, independentemente de sua religião, status social, orientação política e raça (desde que acredite na existência de um principio criador), e ensina aos seus membros lições de auto aperfeiçoamento, espiritualidade e fraternidade.

O maçom tem que ser um exemplo!

A começar pelo saber. A busca do conhecimento em maior medida sempre, em uma medida sem precedentes, tem que ser o objetivo do maçom. O conhecimento é valioso para aqueles que estão dispostos a se esforçar para dominá-lo. Esse conhecimento é geral, não pode ser adquirido apenas a partir dos livros ou cursos universitários.

De comportamento e moralidade. O maçom tem que distinguir-se como homem de valor moral e social superior. A Ordem apresenta-se como guardiã social da virtude e da iluminação; nela os maçons podem se dedicara um programa específico de auto-aperfeiçoamento moral. Os maçons devem reformar seus costumes e seu comportamento de forma e se tornarem seres civilizados, esclarecidos e morais.

De fraternidade. Tem que agir sempre com base em sua observação das necessidades dos outros. O maçom é um altruísta, sempre pronto para auxiliar a todos que dele necessitem. Quando as pessoas ouvem a respeito de alguém em necessidade, seu impulso natural é para ajudar. A Maçonaria está apenas dando-lhe a oportunidade para operacionalizar esse impulso.

Assim o Maçom tem que ter Responsabilidade Social; seu comportamento tem que ser pautado na ética ou na ideologia teorizada pela entidade que representa. Ele, como indivíduo, tem a obrigação de agir em benefício da sociedade em geral. Esta ação pode ser passiva, evitando engajar-se em atos socialmente prejudiciais, ou proativas, através da realização de atividades diretas de promoção dos objetivos sociais.

Dentro desse contexto, vemos como papel social do maçom atual, o esforço para descobrir e trazer à tona os elementos emergentes e os anseios da comunidade que são subconscientes, para o desenvolvimento integral dessa comunidade, do seu ambiente social.

O maçom não é uma parte da comunidade quando, uma vez por semana, vai voluntariamente a uma reunião da Loja e contribui no Tronco de Solidariedade. Ele tem que fazer parte da comunidade todos os dias. Ele tem que estar atento para o que é necessário realizar e pensar como os problemas podem ser resolvidos. Sua ação social, como Maçom e membro da Comunidade, é contribuir para que sejam tomadas decisões e realizadas ações que irão melhorar o bem-estar e a qualidade de vida da comunidade.

Podemos sintetizar as teorias sociológicas atuais, em três fases essenciais para o processo de desenvolvimento comunitário. A primeira fase consiste na determinação se a comunidade está preparada para passar a um nível mais elevado de desenvolvimento através de suas energias excedentes, há consciência dessas possibilidades, é aspiração da comunidade alcançar essas possibilidades completamente. A segunda fase consiste na determinação se os indivíduos da comunidade têm consciência e expressão dessas aspirações de maneira sólida. Finalmente, na terceira fase a iniciativa do maçom é buscar os indivíduos que são aceitos pela comunidade e organizá-los, buscando a integração da comunidade.

Em nossa teoria de desenvolvimento social, há um desejo, mesmo que seja subconsciente, da comunidade para a mudança e o progresso. Existe também um maçom que está em sintonia com esse desejo, mesmo que a sociedade ainda não esteja. Ele traz uma proposta para apresentar a comunidade, ela aceita e abraça a ideia.

Posta em prática, a comunidade cresce, muda, se desenvolve. Por exemplo, um maçom constrói uma lixeira de metal e instala na calçada em frente a sua casa, mesmo que a comunidade não esteja consciente do potencial da ação para limpeza da superfície da via pública, reconhece que o esforço dele faz com que a limpeza pública seja uma realidade, a sociedade o acompanha e ao abraçar a ideia contribui para o desenvolvimento comunitário. O que inicialmente foi subconsciente para a comunidade, agora se tornou consciente.

Embora a comunidade possa estar preparada para a sua ascensão a um nível superior de desenvolvimento, ainda precisa de um agente para transformar essa vontade em ação. Esse é o papel social dos maçons. Os maçons têm que ser pessoas dispostas a sair dos padrões, dos moldes existentes, e tentar algo novo. Através das suas ações conscientes, os maçons expressam alguns aspectos das aspirações que estão apenas parciais ou inconscientes para a comunidade.

O maçom não pode ser um pária, radical ou desajusta dona comunidade, mas sim parte das suas aspirações, conhecimentos e valores em um alto grau. O maçom rompe com os modelos e moldes da comunidade, mas fica dentro dela, não fora do ambiente social da comunidade, traçando novos cursos ou revelando novas possibilidades.

O maçom tem que estar muito à frente de seu tempo, para estar sempre em sintonia com a aspiração da comunidade, e suas ações devem inspirar outros a tomarem as mesmas iniciativas. Assim, as iniciativas do maçom pioneiro se multiplicam por toda a comunidade, desencadeando um movimento de desenvolvimento.

O indivíduo pode pensar em si mesmo, não influenciando a Comunidade. Essa concepção de vida não permite a grandeza e a genialidade. O maçom subjuga os interesses individuais, investiga e descobre o que a comunidade necessita e anseia, mesmo subconscientemente. E busca levá-la a consecução desses objetivos, tornando-se um verdadeiro líder.
Pense, você pode viver melhor.
Fonte: Ir.´. Eduardo Gomes de Souza /GOB/RJ

REFLEXÕES SOBRE A MISSÃO DA MAÇONARIA
Imaginemos que uma bela manhã a Policia Militar decidisse assumir a seguinte posição:
Os soldados deveriam dirigir-se aos seus respectivos quarteis onde passariam a polir suas botas, limpar suas armas, fazer a faxina, exercitar-se, fazer ordem unida, estudar a constituição e as leis penais, preparar trabalhos escritos que seriam lidos diante da tropa reunida no pátio do quartel. Ah, e o rancho. Todos os soldados e oficiais passariam a ter o rancho em conjunto.

Vez por outra, um soldado ou oficial seria homenageado com uma medalha, por exemplo, a melhor faxina das latrinas, ou a melhor manobra de ordem unida do mês. Eventualmente, a população seria convidada para ir ao quartel assistir exercícios de ordem unida.
Ao final do dia, o soldado ou oficial retornaria à sua casa para retornar ao quartel na manhã seguinte e repetir a rotina diariamente, por anos a fio, sem sair às ruas, naturalmente.

Pois é. Isso me parece familiar na vetusta instituição conhecida como Maçonaria. Mais ou menos como acontece nas Forças Armadas em geral. Muito quartel, muito salamaleque, muitas manobras, medalhas e só… Ah! E belas paradas organizadas em Sete de Setembro, garbosos oficiais decorados com dezenas de medalhas brilhantes e coloridas, espadas, continências, marchas hieráticas…

As tropas da Maçonaria, porém, perderam o gosto pela luta, perderam o gosto pelas ruas, perderam o gosto pela política. Limitam-se a polir seus compassos e esquadros, lustrar os malhetes, fazer seus salamaleques, comer o rancho e voltar para casa.

Perdemos a noção de missão. As forças armadas têm a missão de proteger o país contra o inimigo externo (vez por outra esquecem disso e atacam o próprio povo, mas isso é exceção à regra), já a Polícia Militar tem a missão de fazer a proteção interna da população, preventivamente e fazer cumprir mandados do judiciário.

O treinamento em quarteis, em ambos os casos é a preparação para ter condições de cumprir suas missões.
E a Maçonaria? Qual a missão da Maçonaria?
Fonte: Bibliot3Ca.Wordpress Texto: José Filardo M.´.M.´.

Frase do Pedreiro Livre: O topo derruba-nos, não os degraus que aí conduzem: gostamos de errar na planície, com os olhos fixos no cume. Só uma parte da arte se pode ensinar, o artista tem necessidade de arte total… o trabalho do maçon faz-se ao ar livre e termina, senão sempre em segredo, pelo menos, pelo segredo.
Goëthe

COMEMORAÇÕES NACIONAIS E MUNDIAIS 01 DE JANEIRO

1 de janeiro (uma quarta-feira), 1º dia de 2014 (364 dias para 2015)

Janeiro parece início de romance. Esperanças renovadas, promessas restabelecidas. O primeiro mês do ano é dourado como o sol. O nome homenageia Janus, o deus romano do arco do portão. Janus tem duas faces: uma voltada para trás (o passado) e outra que olha para a frente (o futuro). Uma boa metáfora para um ano que se inicia, cheio de planos e idealizações projetadas a partir das conquistas e experiências vividas no ano anterior.

Assim, o mês de janeiro é também conciliador. Lembra um mar sem vento, um céu sem nuvens. Estende a bandeira branca em comemoração ao Dia Universal da Paz, fazendo do seu primeiro dia um feriado de trégua.

DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL, OU DIA MUNDIAL DA PAZ, OU DIA DA FRATERNIDADE UNIVERSAL
Historicamente a tríade liberdade, igualdade e fraternidade é o alicerce da ordem social, que eclodiu com a Revolução Francesa em 1789. Considerada como o mais importante acontecimento da história contemporânea, colocou abaixo os regimes absolutistas vigentes na época e ascenderam os valores burgueses; foi inspirada pelos ideais iluministas do século XVIII que teve reflexos no mundo todo, inclusive influenciando na independência dos Estados Unidos, e movimentos como a dos inconfidentes em nosso país.

É com muita tristeza que vemos o que anda acontecendo na França, as coisas na terra do perfume não andam cheirando muito bem – é esquisito demais ver uma mesquita ser explodida em um país com um número significante de população mulçumana.
Deixemos a França de lado – pelo menos por enquanto – e vamos fazer uma reflexão sobre a fraternidade, até porque no dia primeiro de dezembro é o Dia Mundial da Confraternização Universal e da Paz.

A fraternidade, na rigorosa acepção da palavra, resume todos os deveres dos homens relativamente uns aos outros; ela significa: devotamento, abnegação, tolerância, benevolência, indulgência; é a caridade evangélica por excelência e a aplicação da máxima: “nunca faça com os outros àquilo que você não gostaria que lhe fosse feito.”

A contrapartida é o egoísmo. Enquanto a fraternidade diz: “cada um por todos e todos por um”, o egoísmo diz: “cada um por si.” Sendo essas duas qualidades a negação uma da outra, é tão impossível a um egoísta agir fraternalmente, para com os seus semelhantes, quanto o é para um avarento ser generoso.

Ora, sendo o egoísmo a praga dominante da sociedade, enquanto ele reinar dominador, o reino da verdadeira fraternidade será impossível; cada um quererá da fraternidade em seu proveito, mas não a quererá para fazê-la em proveito dos outros; ou, se isso faz, será depois de estar seguro de que não perderá nada e mais, para obter lucros.

Considerada do ponto de vista de sua importância para a realização da felicidade social, a fraternidade está em primeira linha: é a base; sem ela não poderia existir nem igualdade e nem liberdade verdadeiras; a igualdade decorre da fraternidade, e a liberdade é a conseqüência das duas outras.
A liberdade é filha da fraternidade e da igualdade; falamos da liberdade legal e não da liberdade natural que é, por direito, imprescritível para toda criatura humana, desde o selvagem ao homem civilizado. Vivendo os homens como irmãos, com os direitos iguais, animados de um sentimento de benevolência recíproco, praticarão entre si a justiça, não procurarão nunca se fazerem mal, e não terão, conseqüentemente, nada a temer uns dos outros. Os inimigos da liberdade são, pois, ao mesmo tempo, o egoísmo e o orgulho, como o são da igualdade e da fraternidade.
Sem esses três princípios reunidos, como dissemos, não há que se falar em ordem, e sem a ordem não se tem progresso; eles devem caminhar juntos para servirem de apoio; sem sua reunião, o edifício social não pode se completar. A fraternidade praticada em sua pureza não poderia estar só, porque sem a igualdade e a liberdade não há verdadeira fraternidade.

A liberdade sem a fraternidade dá liberdade de ação a todas as más paixões, que não têm mais freio; com a fraternidade, o homem não faz nenhum mau uso de sua liberdade: é a ordem; sem a fraternidade, o homem usa a liberdade para dar curso a todas as suas torpezas: é a anarquia, o caos. A igualdade sem a fraternidade conduz aos mesmos resultados, porque a igualdade quer a liberdade; sob pretexto de igualdade, o pequeno abate o grande, para se substituir a ele, e se torna tirano a seu turno; isso não é senão um deslocamento do despotismo.

Será que, até que os homens estejam imbuídos do sentimento da verdadeira fraternidade, temos que tê-los na servidão? Essa opinião é mais do que um erro; é absurda. Não se espera que uma criança haja feito todo o seu crescimento para fazê-la caminhar. Quem, aliás, a tem mais freqüentemente em tutela? São homens de idéias grandes e generosas, guiados pelo amor ao falso progresso? Aproveitando da submissão de seus inferiores, para desenvolver neles o senso moral, e elevá-los, pouco a pouco, à condição de homens livres? Não; são, na maioria, homens ciosos de seu poder, à ambição e a cupidez dos quais outros homens servem de instrumento, mais inteligentes do que animais, e que, para esse efeito, em lugar de emancipá-los os têm, o maior tempo possível, sob seus pés e na ignorância.

A reação é, às vezes, violenta e tanto mais terrível quanto o sentimento de fraternidade, imprudentemente abafado, não vem interpor um poder moderador; a luta se estabelece, entre aqueles que querem agarrar e aqueles que querem reter; daí um conflito que se prolonga, freqüentemente, durante séculos.

Um equilíbrio falso se estabelece enfim; há melhoria; mas sente-se que as bases sociais não estão sólidas; o solo treme a cada instante sob os passos, porque não é, ainda, o reino da liberdade e da igualdade sob a égide da fraternidade, porque o orgulho e o egoísmo estão sempre ali, levando ao fracasso os esforços dos homens de bem.
Aos progressistas cabe a incumbência de ativar um movimento pelo estudo e pela prática dos meios mais eficazes, e aos homens sensatos agir dentro dos princípios humanistas; àqueles que acham que o que acabamos de discorrer não passa de utopia, os chamados racionalistas, lembramos que existe uma lei da reciprocidade: colhemos os frutos das sementes que plantamos; àqueles que acreditam que existe um Ser Supremo um alerta: leia o Salmos 133 – pelo menos no dia 1º de dezembro.
Fonte: Portal São Francisco

Dia consagrado à celebração da fraternidade universal Comemoração de brasileiros, conforme Decreto Nº 155-b de 14 de janeiro de 1890.
Dia da Circuncisão de Jesus Comemorado por católicos ocidentais, de acordo com o calendário antigo da Igreja Católica Romana, seguindo indicações dos Evangelhos do Novo Testamento nos seguintes termos: “após 8 dias do nascimento de Jesus, Maria e José levaram o Menino até o Templo de Belém para cumprir o preceito da Circuncisão [postectomia], conforme prescrição das leis religiosas do povo judaico”.

Dia da Confraternização Universal Comemorado também no Brasil, conforme Lei Nº 662 de 6 de abril de 1949 e Emenda Nº 321 de 1947.

Dia da Festa de Bom Jesus dos Navegantes Comemorada no Estado brasileiro da Bahia.

Dia da Festa Nacional do “Dia do Município” Comemorada no Brasil nos anos de milésimo 9 e 4, conforme Decreto-Lei Nº 846 de 9 de Novembro de 1938, a partir de proposta do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro apoiada pelo Conselho Nacional de Geografia, a ser festejada com sessões cívicas que terão por fim exaltar o papel político, social e econômico dos Municípios, exprimindo, bem assim, em relação às comunidades municipais, não somente a solidariedade das órbitas superiores da organização político-administrativa do Estado Brasileiro, mas também o apreço das elites dirigentes da Nação brasileira.

Dia da Igreja Assembléia de Deus Comemorado no Estado brasileiro do Amazonas, conforme Lei Nº 3.655 de 22 de agosto de 2011, para marcar a data da fundação da atual “Igreja Assembléia de Deus Tradicional”, ocorrida em 1 de janeiro de 1918 na cidade brasileira de Manaus-AM.

Dia da Posse de Presidentes brasileiros e/ou suíços Realizada nos anos em que hajam pleitos normais em Eleições Nacionais em Brasil e/ou Suíça.

Dia da Revolução Antiescravista do Haiti Comemoração da cidade brasileira de São Paulo-SP, conforme Lei Nº 14.037 de 22 de julho de 2005 e Lei Nº 14485 de 19 de julho de 2007, que está relacionada com a data do surgimento da 1ª “República Negra” conhecida do mundo em 1 de janeiro de 1804, após a declaração de independência proferida pelo ativista haitiano, Jean-Jacques Dessaline.

Dia de Ano Novo nos Países que usam o Calendário Gregoriano.

Dia do início da Semana Nacional de Oração Celebrada na IPC [Igreja Presbiteriana do Brasil].

Dia do Mercosul Comemoração não confirmada, até porque o “Dia do Mercosul” é festejado em 26 de março por vários dos países membros.

Dia dos Católicos Comemorado no Estado brasileiro do Pará, conforme Lei Nº 5.676 de 8 de novembro de 1991.

Dia Global da Família ou “Global Family Day” Comemoração que antigamente era conhecida como “Um Dia de Paz e Compartilhamento” ou “One Day of Peace and Sharing”.

Dia Mundial da Paz ou “World Day of Peace” Comemoração principalmente de católicos Apostólicos Romanos, que foi instituída pelo Papa Paulo VI a partir de uma mensagem de 8 de dezembro de 1967, e que tem sido festejada desde 1968.

Dia Mundial da Imprensa Espírita ou “World Press Day Spirit” Comemoração de espíritas, que foi proposta pela ABRADE [Associação Brasileira de Divulgadores do Espiritismo], e que foi oficializada em 2004 pelo CEI [Conselho Espírita Internacional ou “International Spiritist Council”], para marcar a data do lançamento do Jornal de Estudos Psicológicos, “Revista Espírita” ou “Revue Spirite”, que foi fundado em 1 de janeiro de 1858 pelo professor e pedagogo francês, além de codificador e sistematizador da Doutrina Espírita, Hippolyte Léon Denizard Rivail [conhecido como Allan Kardec], e que é tido como o 1º periódico espírita e considerado por isso, como o pioneiro, além de um dos maiores veículos de comunicação social espírita já ofertados à Humanidade.

Ex-Dia de Cumprimento de bons anos a Suas Majestades Imperiais Comemoração dos tempos do Brasil Império, conforme Decreto de 21 de dezembro de 1822.

Ex-Dia de Paz e Compartilhamento” ou “Ex-Day of Peace and Sharing”, Comemoração que atualmente é celebrada como “Dia Global da Família” ou “Global Family Day”, e que tem sido festejada nos Estados Unidos da América e em outros países da Terra, quando os indivíduos e famílias compartilham alimentos com os amigos [especialmente os mais necessitados], fazem promessas pessoais de não-violência, e procuram espalhar uma mensagem de paz e de partilha, além de tocar sinos ou bater tambores, na esperança de tornar a sociedade e o mundo num lugar mais seguro para se viver.

Fonte: DiasDe

CURIOSIDADES
DIA DA INDEPENDÊNCIA DO HAITI – O Livro dos Dias 2010 marca hoje como sendo o dia da independência do Haiti. A independência do Haiti foi influenciada pela Revolução Francesa e é considerada a única revolta de escravos bem sucedida desde a antiguidade clássica. O episódio, também conhecido como Revolução Negra, teve origem na revolta gerada entre os escravos que trabalhavam na lavoura de cana de açúcar.

1806 – O mês era dividido em décadas e os nomes dos dias tirados da ordem natural da própria numeração. Foi substituído pelo calendário gregoriano em 01/01/ 1806. Era um calendário anticlerical.
1874 – O telégrafo submarino entre Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco e Pará foi inaugurado.

1983 – É criada a Internet.

1990 – É instituída a moeda única da União Europeia, o euro.

2002 – O euro, moeda única da Comunidade Europeia, começou a circular em 12 países: Alemanha, França, Itália, Holanda, Bélgica, Áustria, Irlanda, Espanha, Grécia, Portugal, Finlândia e Luxemburgo.

1995 – Fernando Henrique Cardoso assumiu a Presidência da República depois de vencer as eleições no primeiro turno com 54% dos votos.

1999 – O presidente Fernando Henrique Cardoso assumiu seu segundo mandato para a Presidência da República.
Fonte: GSEC/GOU

Frase do Dia: “Que o Novo Ano de 2014 não seja como o outono da vida onde as folhas caem deixando apenas lembranças de dias bons e ruins, mas que seja como a primavera da vida que produz frutos e dos frutos sementes onde podem ser plantadas a cada dia e colhidas a cada amanhecer.”


Deixe uma resposta