FATOS DESTAQUES, CULTURA, REFLEXÃO MAÇÔNICA, COMEMORAÇÕES E DESTAQUES HISTÓRICOS 16 JANEIRO‏

 
Share Button

FATOS MAÇÔNICOS OCORRIDOS EM 16 DE JANEIRO

1822 – No dia 16 de janeiro de 1822, Dom Pedro nome ou Ir.’. José Bonifácio de Andrada e Silva ministro dos Negócios do Interior, da Justiça e dos Estrangeiros. Nos meses seguintes, o apoio do Partido Brasileiro a dom Pedro e o movimento de Independência cresceram bastante, principalmente na região Sudeste. Por outro lado, a corte de Lisboa continuava exigindo a volta do príncipe regente. Mais uma vez ele desafiou Portugal: determinou que as ordens de Lisboa só teriam validade no Brasil depois de passar pelas suas mãos e receber autorização, o que ficou conhecido como “Cumpra-se”. Diante dessa medida, o príncipe regente recebeu do Senado da Câmara do Rio de Janeiro o título de Defensor Perpétuo do Brasil. No dia 7 de setembro, às margens do riacho Ipiranga, ele leu uma carta de Portugal que exigia seu retorno imediato e outra de José Bonifácio que dizia: “Só existem dois caminhos: ou voltar para Portugal como prisioneiro das cortes portuguesas ou proclamar a Independência, tornando-se imperador do Brasil”.

1838 Alguns anos, com a instalação da Reintroduzido no Brasil o Rito Adonhiramita, não praticado há Loja Sabedoria e Beneficência.

1860 O Catarinense, brigadeiro, conselheiro e Maçom Coelho da Província e deputado geral por Santa Catarina. Chefiou o Ministério da Marinha, interinamente, e o da Guerra, sendo também vogal do Supremo Tribunal Militar. Morre, na cidade fluminense de Friburgo, o fundador da imprensa Jerônimo Francisco, natural da cidade de Laguna. Foi deputado provincial, vice presidente

1954 – Grande Loja Distrital de Mestres Maçons da Marca – Brasil – A cerimônia de Consagração e Instalação foi realizada à 18:00 horas do dia 16 de janeiro de 1954, no Templo Maçônico então existente na Escola Britânica da Rua General Couto de Magalhães Nº 257, em São Paulo. O Grande Oficial Consagrador foi o Ir. James John Douse, que contou com assistência do irmão Frank Craymer Toogood como Diretor de Cerimônias e do Irmão D. D. Burnett como Capelão. O primeiro Grão Mestre Distrital da Marca foi o E. Ir. Ernest Cunningham que nomeou e investiu o V. Ir. Ernest Edward Cromack como Grão Mestre Distrital Adjunto.

1981 – Loja Maçônica Luz no Horizonte passou a realizar suas sessões em seu templo, localizado no subsolo do Palácio Maçônico do Grande Oriente do Estado de Goiás, composta pelos irmãos: Venerável; IVASE CIQUEKAZU, 1º Vigilante; SEBASTIÃO AUGUSTO DA SILVA, 2º Vigilante; IZAIAS MOREIRA CEZAR, Orador; EURÍPEDES BARBOSA NUNES, Secretário; DAVID DE OLIVEIRA FILHO, Tesoureiro; JULIO FAUSTO DE FARIA, Chanceler; VICENTE DIAS RIBEIRO.

1981 –  foi realizada a primeira sessão de mestre da Loja, quando foi concedido o quite-placet, ex-ofício, ao Ir.: ORLANDINO DIVINO DA SILVA.

1981 – Fundada a Loja Jairo Fernandes Neto nº 2133 GOB/RJ

Fonte: Grande Secretaria Geral da Educação e Cultura/GOU
Grande Oriente Universal

CULTURA MAÇÔNICA

RESULTADO DE NOSSA CONDUTA

CARATER - RESULTADO DE NOSSA CONDUTA

O CARÁTER
Ter bom caráter é qualidade fundamental para ser um bom Maçom?
Para a grande maioria das pessoas, um homem de caráter é aquele que possui bons propósitos em suas ações, aquele se apresenta sem máscaras, o que persevera perseguindo seus pontos de vista, pauta sua conduta com atenção e firmeza, têm atos francos, pensamento altivo e seus objetivos são perfeitamente definidos e claros.
O sucesso da Maçonaria e do próprio Maçom tem como fundamento básico o bom caráter dos obreiros que dela participam. Atitudes éticas, decisões acertadas, tolerância e fraternidade revelam o grau de qualidade de cada irmão e o tipo de maçonaria que eles praticam.

Nossas decisões ou o comportamento ético de cada um podem desenvolver ou aniquilar o caráter do obreiro que não esta afinada com a filosofia da Ordem, daí a necessidade de estarmos, constantemente, vigilantes avaliando nossa conduta, até criarmos o hábito salutar de fazer, conscientemente, a coisa certa em todas as oportunidades que se nos apresentarem demonstrando assim, que os fundamentos filosóficos da Arte Real fazem parte do cotidiano de cada um.

O homem quando busca estabelecer uma unidade de pensamento, de palavra e de ação dentro do contexto social em que vive tende a tornar-se imortal não no aspecto físico, mas na lembrança dos que com ele tiveram contato; suas ações e seu exemplo serão imortalizados por todos.
Quando somos colocados diante do conceito de que o “saber é poder” devemos ter consciência que o conhecimento e a sabedoria são os elementos os quais nos são fornecidos para compreender que, somente, aqueles que têm a mente aberta e a firmeza de caráter podem candidatar-se a serem vistos como obreiros de bom caráter.

Esse conceito de “bom caráter” vai ser estruturado no amor ao próximo, na demonstração de paciência, na perseverança das ações praticadas, na compaixão diante dos menos aquinhoados pela vida, na fraternidade, no respeito à liberdade e no tratamento das pessoas com igualdade, tudo isso levado pela manifestação espontânea da tolerância sem ressentimentos.

Dentro do conceito maçônico, podemos entender o “bom caráter” que suas ações expressam o cumprimento das obrigações e a consciência da responsabilidade dos atos praticados.
O “bom caráter” no maçom impede que ele seja omisso na solução dos problemas, abandone à sua sorte o infortúnio de um irmão necessitado.

A melhor formula que podemos fornecer para a construção do “bom caráter” está nos bons exemplos que nos foram transmitidos pelos mais antigos, não se admitindo em momento algum qualquer tipo de omissão em qualquer nível.
O homem justo e perfeito, somente, pode ser estruturado ou construído em meio de pessoas inteligentes e sensatas; dentro de um convívio salutar. Ele pode buscar o aprimoramento moral, material e espiritual de seu caráter, estabelecendo uma estrutura comportamental integrada a um processo educativo constante e gradual elaborado com inteligência e muita disciplina.

A sociedade da qual fazemos parte exige de cada um de seus obreiros a probidade, a honestidade, um comportamento correto, a precisão nas informações passadas, o fim dos interesses escusos, no combate da vaidade, na luta contra a corrupção que podem levar o homem/maçom a enlamear-se no lodaçal da improbidade. A Maçonaria como instituição perfeita foi, é, e será a grande força redentora que luta em busca de ações que redimem o homem, buscando na construção do “bom caráter” elevar o homem à condição de ser justo e perfeito levando-o a evoluir espiritual, moral e mesmo materialmente, mesmo tendo a consciência de que em seu meio ainda existam indivíduos rotulados de “mau caráter”, “dissimulados e sem escrúpulos”, os quais, embora, materializando o modo triste em que vive a sociedade atual, por essa razão, são de certo modo benéficos à Ordem, pois, seus atos deletérios servem para que tenhamos consciência do que é certo ou errado e nos posicionemos do lado positivo construindo o iniciado com “bom caráter”.

Os conhecimentos filosóficos e simbólicos transmitidos pelos instrumentos fundamentais que simbolicamente são representados pelo Maço e Cinzel utilizado pelo Aprendiz no desbaste da Pedra Bruta faz com que o aparar das arestas signifiquem o trabalho da construção do “bom caráter”.

Trabalhemos, pois, na formação de maçons que tenham “bom caráter” que sejam justos e perfeitos, de modo que a Ordem Maçônica continue a ser o esteio das sociedades como nos foi transmitida por nossos antepassados.
Parafraseando o Apóstolo Paulo, vamos combater o bom combate para que no futuro possamos ser vistos como os orientadores da humanidade no caminho da transformação que poderá nos levar ao bem estar social tão almejado pelos povos.
Fonte: Portal Cravo/Armando

REFLEXÃO MAÇÔNICA

Ferramentas

MAÇONARIA E VÍCIOS MORAIS (ORGULHO E VAIDADE)
Saudações fraternas. Como humanos comuns, devemos ser cientes de que temos nossos “defeitos”, aos quais chamamos de vícios morais. Também sabemos que não podemos ser tolerantes com esses vícios se quisermos progredir. Refiro-me à tolerância que nós mesmos não podemos ter com nossos vícios. Sendo estudiosos da simbologia das virtudes, não podemos aceitar passivamente nossos vícios.

Não podemos nos acomodar diante deles, principalmente antes de apontá-los nos outros. Aquele que enxerga o vício em si, antes de vê-lo nos outros, e o corrige, já conhece o caminho da Sabedoria. Fácil? Não, claro que não é tão simples. Praticamente todos nós terminamos nossas vidas sem conseguir tal êxito.Todavia, estamos nesse mundo para progredir no sentido moral, respeitando as opiniões de caráter religioso ou filosófico de cada um. Com esse objetivo, cabe a todos nós usar as ferramentas possíveis para refletir onde erramos e ter a capacidade de nos corrigirmos, sabendo que o primeiro muro a ser derrubado é o do Orgulho, parceiro da Vaidade que fere nossa alma, que provoca o ódio, a inveja, a corrupção. O orgulho é o pai de todos os vícios; a Vaidade, a mãe.

É um vício moral que atinge muitos entre nós, maçons, e há muitos irmãos que não se apercebem disso, achando que ser maçom é motivo de vaidade, ostentação. Não! Devemos ter, sim, o bom orgulho, em saber que estamos em busca da perfeição, mesmo sem atingi-la no fim de nossos dias. Estamos construindo, dia a dia, um ser melhor, como bons obreiros. Humildade é o remédio, na exata proporção da vaidade. Esse é o antídoto, que se obtém na leitura, na cultura, nas artes, na prática de sua religião, na prática do amor fraternal e familiar, deixando de lado a preocupação com as aparências e visando o resultado dessa ação como exemplo àqueles que nos cercam.
Fonte: O regional SC/Marco A.Piva

Frase do Pedreiro Livre¨A distância que você percorre na vida depende do seu carinho com os jovens, da sua delicadeza com os idosos, da sua compreensão com os que se esforçam e da sua tolerância com os fracos e os fortes. (George Washington Carver¨)

COMEMORAÇÕES NACIONAIS E MUNDIAIS 16 JANEIRO
16 de janeiro (quinta-feira), 16º dia de 2014 (349 dias para 2015)

DIA DO CORTADOR DE CANA DE AÇÚCAR

OS CORTADORES DE CANA-DE-AÇÚCAR E O PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA
O dia-a-dia dos cortadores de cana na atualidade pouco difere da realidade dos canaviais na época colonial, fazendo com que haja muita reflexão acerca desse tipo de trabalho.
O dia de trabalho começa já de madrugada. Ainda na escuridão, os trabalhadores se levantam, tomam seu café puro e ralo e rumam em direção à praça, ou a algum outro ponto central da “rua”, para aguardar o transporte que os levará para mais um dia de peleja nos canaviais.

Esse transporte disponibilizado pelas usinas e pelos fazendeiros, em tese, é precário. São utilizados ônibus velhos e enferrujados, sem condição de uso e sem a mínima segurança para os trabalhadores. Isso quando não são usados os “gaiolões” e “boiadeiros”, caminhões que tem como função o transporte de animais. Não é difícil, em várias regiões do país, esbarrar com esses caminhões nas estradas da zona canavieira, onde se misturam perigosamente trabalhadores, foices, facões e enxadas.

Começando o corte pouco antes do sol nascer, esses trabalhadores só param de golpear seus facões contra os talos de cana quando o dia está prestes a terminar numa jornada de trabalho que muitas vezes ultrapassa as doze horas. Toda essa disposição se deve não ao gosto e entusiasmo pelo trabalho, mas sim pela necessidade, a fim de se tentar ter uma vida menos indigna.

Os trabalhadores recebem por produção, ou seja, recebem um determinado valor por tonelada de cana cortada.
Essa forma de remuneração faz com que os trabalhadores se transformem em escravos de si mesmos. A ânsia em conseguir ganhar um pouco mais por mês, faz com que muitos deles desrespeitem e ultrapassem seus próprios limites. E a conseqüência desse esforço muitas vezes é fatal.

Inúmeras são as condições adversas do trabalho, mas algumas são mais gritantes, a saber:
I) ambiente de trabalho precário e insalubre, com elevadas temperaturas, exposição à poeira e à fuligem da cana queimada. Ainda, a ausência de instalações sanitárias, refeitórios;
II) como já mencionado acima, o transporte fornecido, mal conservados e conduzidos muitas vezes por motoristas inexperientes, misturando trabalhadores junto aos instrumentos cortantes, expondo-os a perigo;
III) não fornecimento dos equipamentos de proteção individual, ou quando fornecidos, inadequados, como por exemplo a não variação de tamanho do equipamento;
IV) desrespeito total a diversos direitos trabalhistas, que se dá com a não observância do intervalo para refeição e das pausas para relaxamento e alongamento, pagamento incorreto das horas “in itinere”, não discriminação no atestado de saúde ocupacional dos riscos da atividade dos rurícolas, etc.

É perceptível que o desgaste, o processo laboral e a reprodução da força de trabalho empregados no corte da cana-de-açúcar ferem o princípio da dignidade da pessoa humana fazendo com que este tipo de trabalho seja análogo ao trabalho escravo.

A saúde do trabalhador deve ser preservada a todo o momento no trabalho, tem que ter um salário digno para subsistir sua família, dentre outros fatores, como assegura o artigo 23 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, “in verbis”:
“toda pessoa que trabalha tem direito a uma remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível com a dignidade humana, e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social”.

Nessa vereda, mister se faz mencionar os ensinamentos do ilustre Ingo Wolgang Sarlet que assevera:
“qualidade intrínseca e distintiva de cada ser humano que o faz merecedor do mesmo respeito e consideração por parte do Estado e da comunidade, implicando, neste sentido, um complexo de direitos e deveres fundamentais que assegurem a pessoa tanto contra todo e qualquer ato de cunho degradante e desumano, como venham a lhe garantir as condições existentes mínimas para uma vida saudável, além de propiciar e promover sua participação ativa e co-responsável nos destinos da própria existência e da vida em comunhão com os demais seres humanos.”
A vida, portanto, é o bem maior a ser tutelado em qualquer meio ambiente de trabalho, cabendo a todos os envolvidos fazerem valer seus direitos e também seus deveres para a efetivação da proteção a vida do trabalhador atendendo, de fato, ao princípio da dignidade da pessoa humana.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 3.ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.
Fonte Web Artigos

Dia do fim da Semana Estadual da Campanha de Respeito ao Tráfego Aquaviário e de Banhistas comemorada a partir de 9 de janeiro de cada ano no Estado brasileiro da Paraíba, conforme Lei Nº 9.616 de 27 de dezembro de 2011, com o fim de prestar informações para orientar tanto responsáveis por embarcações, quanto banhistas sobre quais os direitos e deveres de cada um, quando o Poder Executivo paraibano fica autorizado a firmar convênio com instituições, para que seja elaborada campanha publicitária de divulgação e esclarecimentos dirigida à população.

Dia do Gabinete da Independência comemorado no Brasil, para marcar a data da nomeação do novo Gabinete de ministros brasileiros, que foi realizada pouco depois do “Dia do Fico” de 9 de janeiro de 1822 e um dia depois da “capitulação das tropas do militar português, Jorge de Avilez Zuzarte de Sousa Tavares [Visconde do Reguengo e 1º conde de Avilez], sendo que esse Gabinete foi constituído por José Bonifácio nos Ministérios do Reino, Justiça e Estrangeiros, Caetano Pinto de Miranda Mon¬tenegro no Ministério da Fazenda, general Joaquim de Oliveira Álvares no Ministério da Guerra, e almirante Manuel Antônio Farinha [conde de Souzel] no Ministério da Marinha.

Dia do Povoamento Açoriano comemorado no Estado brasileiro do Rio Grande do Sul, conforme Lei Nº 11.694 de 26 de novembro de 2001, para marcar a data do Bando Convocatório de 16 de janeiro de 1752, que foi assinado pelo nobre, militar e administrador colonial português, António Gomes Freire de Andrade [1º conde de Bobadela], enquanto governador e capitão-general do Rio de Janeiro com poder de mando estendido a outras regiões do Brasil Colônia, para ser enviado ao governador da Capitania de Santa Catarina, com o fim de arrebanhar os açorianos que se encontravam em Santa Catarina e desejassem ir para terras gaúchas, no que foi atendido por muitos açorianos, decididos a migrar para os Sete Povos das Missões, onde teriam moradia garantida [que os índios as entregariam inteiras para os portugueses, de acordo com o Tratado assinado com os espanhóis], coisa que não aconteceu na prática, pois os índios guaranis decidiram não atender a ordem de Espanha e lutar pela permanência em suas terras, o que fez com que os açorianos fossem jogados à própria sorte nessa terra diferente e com um clima bem mais violento, principalmente no inverno, sem moradia adequada e sem meios para construir suas novas moradas, muito embora o passar dos anos e a força de vontade dessa gente batalhadora tenha permitido que eles contribuissem fortemente para o engrandecimento do Estado sul-rio-grandense.Dia dos Beatles ou “Beatles Day” comemorado por fãs da banda em todo o mundo, para marcar a data da inauguração da casa noturna “The Cavern Club”, que começou a funcionar em 16 de janeiro de 1957 na cidade inglesa de Liverpool, e que foi o lugar onde o conjunto pop-rock britânico, “The Beatles, iniciou sua carreira artística que o levaria a ser considerado como o grupo musical comercialmente mais bem-sucedido e aclamado da história da música popular, tendo contribuido grandemente para o desenvolvimento da música mundial, através dos músicos ingleses, John Lennon, na guitarra, piano, gaita e vocal, Paul McCartney, no baixo, piano, vocais, George Harrison, na guitarra e vocal, e Ringo Starr, na bateria e vocal, donos de grande sucesso como integrantes da banda e também mais tarde, em suas carreiras solos.
Fonte: DiasDe

DESTAQUES HISTÓRICOS 16 JANEIRO

1902 – A Alemanha obtém a concessão para construir a ferrovia Konia-Bagdá, no Império Otomano.

1908 – Grandes conflitos de operários em Chicago, nos Estados Unidos.

1914 – O escritor russo Máximo Gorki é autorizado a voltar ao seu país, após oito anos de exílio.

1941 – II Guerra Mundial: iniciam os ataques aéreos alemães à Malta, sendo o começo da guerra no Mediterrâneo.

1956 – O Islamismo se converte como religião oficial do Egito, por mandato constitucional.

1969 – O estudante Jan Palach coloca fogo em si mesmo e morre na praça Wenzel, de Praga, em protesto pela ocupação soviética na Checoslováquia e a abolição das liberdades individuais.

1979 – O xá do Irã deixa o país ao ser expulso pelo Aiatolá Khomeini.

1980 – O ex-Beatle Paul McCartney é preso em Tóquio, no Japão, acusado de porte de maconha. Dez dias depois, foi solto e extraditado do país.

1989 – O Conselho de Segurança da ONU aprova por unanimidade o plano para a independência da Namíbia, pedindo ao Governo da África do Sul que reduza sua presença militar nesse território.

1991 – Forças aliadas, lideradas pelos Estados Unidos, iniciam uma ofensiva militar contra o Iraque. É o começo da Guerra do Golfo.

1998 – A indústria do tabaco chega a um acordo de US$ 15 bilhões com o estado de Texas como compensação pelos danos à saúde causados pelo fumo.
Fonte: GSGEC/GOU

Frase do DiaÉ perceptível que o desgaste, o processo laboral e a reprodução da força de trabalho empregados no corte da cana-de-açúcar ferem o princípio da dignidade da pessoa humana fazendo com que este tipo de trabalho seja análogo ao trabalho escravo.

 


Deixe uma resposta