FATOS DESTAQUES, CULTURA, REFLEXÃO MAÇÔNICA, COMEMORAÇÕES E FATOS HISTÓRICOS 30 JANEIRO

 
Share Button

FATOS MAÇÔNICOS OCORRIDOS EM 30 JANEIRO

1881 O Maçom João Cordeiro, presidente da Sociedade Cearense Libertadora exige dos membros o juramento matar ou morrer pela abolição da escravatura

1892 Fundada a Loja Duque de Caxias nº 441 GOB/RJ

1963 – Fundação da “Loja Estrela Montebelense” nr. 1590 de São Luiz de Montes Belos (GOB/GO)

1997Três dias depois de assinar a notificação de saída da potência das Lojas “Luiz de

Camões” e “York”, a Grande Loja Maçônica do Estado do Rio de Janeiro

expulsa 19 irmãos, não mais sob sua jurisdição.

Fonte: Grande Secretaria Geral de Educação e Cultura/GOU

GRANDE ORIENTE UNIVERSAL

CULTURA MAÇÔNICA

MAÇONARIA VERSUS PSEUDOS-MAÇONS

Temos estudado, ouvido e refletido algumas idéias a respeito do contexto maçônico. Falam, filosofam, teorizam, imaginam a maçonaria de tudo quanto é jeito e forma, oficial ou profana, teísta ou deísta, masculina ou mista, origens e mais origens, ritos e influências … que nem mesmo os maçons chegam a um consenso definitivo, nesse sentido, e nem poderiam. Mas enfim, o que é a Maçonaria? Por isso procuramos sintetizar em um único ponto elementar, o que seja a Maçonaria.

A MAÇONARIA É UM ESTADO DE ESPÍRITO. É como beber de uma fonte pura e segura; é estar como um feto em gestação de uma mãe dedicada. É dia, nunca noite, a luz que nos invade e controla nossas paixões. É respirar o ar puro. Existe uma adoção própria, uma condição histórica linear que tem sua origem moderna no surgimento da Grande Loja de Londres, que foi regulamentada e constituída, em 1723, pelo reverendo James Anderson, mais Payne e Desaguilliers. Daí soma-se a fusão das Grandes Lojas de Londres e York, originando a Grande Loja Unida da Inglaterra, em 1813, terminando com o cisma entre os Antigos e Modernos.

A Maçonaria percorreu logo após sua fundação um caminho bem definido no solo Europeu, se instalando em diversos países, como Alemanha, França, Bélgica, Suécia, e outros. Mas foi na França que ocorreu o fato gerador de tantos conflitos: uma releitura maçônica pelo Grande Oriente da França. Isso trouxe alguns transtornos ao entendimento da Maçonaria e sua nova proposta. Dividira-se em Potências regulares, e irregulares, sob a asa da oficial Grande Loja Inglesa.

Grandes Lojas versus Grandes Orientes. Monarquia ou República? E com isso o espírito universal maçônico se perdeu em rezingas mal resolvidas que até hoje perduram. Quem reconhece quem? Este é um dilema ‘tríplice fraternal’. Portanto, chegamos à conclusão que Maçonaria não se mede e, muito menos, se regula. É auto regulável pelo bom senso, lógica e razão dos seus iniciados, despidos de segundas ou outras intenções. Foi sendo composta desde a sociedade dos pedreiros livres, abocanhando culturas diversas, esparramando-se pelo mundo e aglutinando em suas fileiras homens de todas as naturezas. Essa é a sua magia e que perdura até hoje, rompendo a barreira do tempo e sobrevivendo as mais duras provas de resistência.

Ela, a maçonaria, não possui royalties muito menos a arrogância de um ou mais ‘donos’. O que queremos expor é que a maçonaria da qual praticamos (inconsciente) sonha com a verdadeira maçonaria, a qual está anos luz a frente desta … A REAL ARTE da arte real. Sendo que hoje, a maçonaria praticada, e seus princípios de Liberdade, Fraternidade, Igualdade, Racionalidade, Harmonia, Domínio das Paixões, Confiança, Sabedoria, Cultural, Dedicação, Disciplina, Respeito, etc … está um tanto distante da perfeição. Óbvio para quem tem ‘olhos de ver’.

Idolatria, pura e simplesmente, por uma razão histórica e social da Ordem nem cabe dentro deste contexto, é passível de desprezo. – Tenho o hábito de não falar daquilo que ignoro, pois tudo o que se ignora se despreza. (Sófocles). Temos que ter o coração vivo e consciente de que temos uma grande obra para terminar. Os maçons usam da métrica filosófica e litúrgica, que com o tempo foi compondo a massa maçônica, absorvida de outras culturas, crenças, lendas e conhecimentos para dar a consistência de sua forma atual e de seu universo particular. Fora a interpretação de um mosaico próprio, com características ritualísticas únicas, pouco se tem de novo ou de tão diferente e que seja, na atual conjuntura, passível de ‘segredo’, mas privado aos maçons.

Essa prática resultou em diversas estruturas administrativas para doutrinar nossa organização, nossa necessidade de trabalho como compensação ou resposta por estarmos, simplesmente, maçons. Segregamo-nos do próprio mundo profano. E isso virou rótulo, como se ser maçom fosse diferente de qualquer outra pessoa. Se somos… não temos mostrado, em grande parte, razões suficientes, para o mundo e a sociedade crer em nosso trabalho na melhoria qualitativa do ser humano. É retórica e hipocrisia, que se faz valer da MORAL MAÇÔNICA.

Nós maçons, regulares ou não, denominamo-nos assim, utilizamos esse ‘espírito’ da Maçonaria (ou parte dele), de origem incerta, para compor a Ordem Maçônica, sob a política do esquadro e compasso. Produzimos leis, regimentos, regulamentos, constituímos direções, exigimos mundos e fundos (pró forma que de nada vale) e, mesmo assim, a Ordem (instituição) sobrevive, sendo carregada por essa força energética vibrante e crescente que há tempos se faz presente, mesmo diante desse quadro atual e lamentável, provocado por alguns pseudos-maçons. (‘bonitinhos, mas ordinários’ – plagiando Nelson Rodrigues).

Por isso separamos a Maçonaria da Ordem Maçônica. A 1ª é a força energética que invade o coração dos homens livres e de bons costumes; a 2ª é a organização institucional, administrada pelos maçons, e que sob o esse espírito maçônico realiza suas obras. Entretanto, se detivermos um pouco de razão e lógica ‘imaterial’, teremos um só caminho: dominar o que nos arrasta para o que há de pior nas emoções e sentimentos humanos (e que em nada evoluímos até hoje, desde os tempos em que o homem é homem. A tecnologia evoluiu e parte da consciência humana, mas suas fraquezas e primitivas emoções NÃO). Esse é o principal objetivo da Maçonaria, limpar essa sujeira que desgraça o homem em sua face mais mundana. – O MAÇOM NÃO É UM FRACO. É FORTE E DEVE A LUTA PELA ETERNIDADE. O resto é política do ego, uso indevido da ‘marca’ – MAÇONARIA -. A instituição material, a Ordem Maçônica, esta, ainda, engatinhando na direção da suposta verdade e que se perde, muitas vezes, nas férteis vontades e imaginações dos próprios.

O maçom de hoje demonstra medo da verdade, exposta nua e crua, das suas responsabilidades e entendimento sobre o que seja Maçonaria. Está ludibriado, em grande parte, pela oferta litúrgica e do ágape fraternal, não conseguindo desenvolver a sua verdadeira assepsia e os resultados esperados, com isso, reconfortam-se em uma situação social cômoda, inerte e aparentemente perene.

A Maçonaria não ensina nada, mostra o caminho. É uma escola que necessita buscar incessantemente o saber. O maçom é quem preenche sua senda, nessa estrada, com as informações da vida e o que o mundo conhecido por ele pode oferecer. Portanto, o maçom que não está em constante investigação é vazio. Para tanto se exige, no mínimo, conhecimentos além do material (Extrafísico), sensibilidade, dedicação e estudo. A compreensão divina da Maçonaria não se ‘pega’… absorve-se na alma e no espírito, está no éter para quem for capaz de abstrair o elixir emanado pelo GADU.

O pontapé inicial começa dentro de si, numa faxina geral. – V.I.T.R.I.O.L. – Conheça-te a ti mesmo (Sócrates). Cremos que a Instituição Oficializada da Ordem Maçônica, gerida pelos maçons, precisa rever seus conceitos, URGENTEMENTE … refletir seriamente na doutrina basilar da Maçonaria, não essa regulamentar de 1723, mas a Original mesmo, que se perde nas brumas do tempo; do instinto natural de amor e solidariedade, pois esse Espírito deve prevalecer sobre a Matéria. Conceituando-se sobre os novos paradigmas da humanidade e suas relações, em que o mundo moderno passa exigido pela sociedade. Sociedade essa que clamará sempre o máximo (essa coisa de mínimo, nesse caso, é para justificar a incompetência) de atitudes coerentes e dignas de uma Instituição Progressista e, supostamente, Consciente dos seus deveres.

A consciência clara, lúcida, sensata, responsável e comprometida com os ideais mais puros e honestos conduzirá, através do caminho da retidão, do equilíbrio, da paz e da harmonia à nossa glória manifesta, cantada e tão desejada. A acomodação, no ‘sofá’ da preguiça mental e física, não trará conquistas a ninguém. A acomodação é estéril. O pensamento questionador produz energia, a energia necessária para mover o eixo maçônico. O maçom que acha que já conquistou muito ou tudo (universo subjetivo de um mente estática – não ativa), está enganado, mesmo que sobre a égide de IIr.’. mais sérios e que zelaram por seus ideais, antigos ou ativos.

Imaginamos uma maçonaria FORTE e UNIDA, em pensamento e atitude, debates de contextos abrangendo nossa sociedade, ações efetivas para melhoria e equacionamento das diferenças econômicas, que resulta nessa discrepância social no mundo maquiavélico humano. Bons exemplos devem ser seguidos e praticados até a exaustão. A busca de uma consciência maçônica madura com fins e objetivos claros, ampliando a toda forma e contexto maçônico e somadas às iniciativas organizacionais que a própria sociedade oferece.

Para isso devemos romper a absurda barreira da segregação maçônica. O Maçom se reconhece olho no olho e apertando-se as mãos. E não apresentando carteirinha de ‘associado’, como se pertencesse a um clube.

Texto: CARLOS ANDRÉ MARINHO M.´.M.´./GOMAB

Fonte: Mista Athena

REFLEXÃO MAÇÔNICA

SILÊNCIO DA PLENITUDE PARA A PLENITUDE DO SILÊNCIO.

O Homem abeirou-se do Sábio e perguntou-lhe:

– Como encontrarei a Luz no Caminho da minha Vida?

O Sábio respondeu-lhe:

No Caminho da tua Vida encontrarás três Portais. Lê as regras escritas em cada um deles e cumpre-as. E agora vai! Segue o teu Caminho!

– O Homem seguiu o seu Caminho. Em breve deparou com um Portal onde estava escrito:

MUDA O MUNDO O Homem pensou que, na verdade, se havia algumas coisas no Mundo que lhe agradavam, havia muitas outras que eram objecto do seu desagrado. E começou a sua primeira luta: os seus ideais, o seu ardor e o seu poder levaram-no a confrontar-se com o Mundo, para corrigir, para conquistar, para mudar a realidade de acordo com os seus desejos. Nisso encontrou o prazer e a volúpia do conquistador, mas não trouxe Paz ao seu coração. Conseguiu mudar algumas coisas, mas muitas outras resistiram aos seus propósitos.

O Sábio perguntou-lhe então: – Que aprendeste no teu Caminho?

O Homem respondeu: – Aprendi a distinguir entre o que está ao meu alcance e o que se lhe escapa, o que depende e o que não depende de mim.

O Sábio retorquiu: – Isso é bom. Usa as tuas capacidades para agires no que estiver ao teu alcance e esquece o que estiver para além delas

Pouco depois, o Homem encontrou o segundo Portal. Nele estava escrito:

MUDA OS OUTROS O Homem pensou que, realmente, os outros tanto podiam ser fonte de alegria, de prazer ou de satisfação, como de dor, amargura ou frustração e rebelou-se contra tudo o que lhe pudesse desagradar nos outros. Tentou moldar as suas personalidades e corrigir os seus defeitos. Esta foi a sua segunda luta. Fê-lo com persistência, mas nunca conseguiu remover as suas dúvidas sobre a real eficácia dos seus esforços de mudar os outros.

O Sábio perguntou-lhe então: Que aprendeste no teu Caminho?

O Homem respondeu: – Aprendi que os outros não são a causa nem a fonte das minhas alegrias ou das minhas tristezas, da minha satisfação ou dos meus desaires. São apenas oportunidades para todos se me revelarem. É em mim que tudo tem raízes.

O Sábio retorquiu: – Tens razão. Os outros revelam-se-te na medida do que acordam em ti. Agradece aos que fazem vibrar em ti as cordas da Alegria e da Satisfação. Mas não odeies os que te causam sofrimento ou frustração, porque, através deles, a Vida ensina-te o que te falta aprender e qual o Caminho que ainda te falta percorrer.

Então o Homem encontrou o terceiro Portal, onde se lia:

MUDA-TE A TI PRÓPRIO O Homem pensou que, se na realidade era ele próprio a fonte dos seus problemas, então era em si próprio que teria de trabalhar. Começou então a sua terceira luta. Tentou moldar o seu carácter, lutar contra as suas imperfeições, acabar com os seus defeitos, mudar tudo o que lhe desagradava em si próprio, tudo o que não correspondia ao seu ideal. Teve algum sucesso, mas também alguns fracassos e duvidou das suas reais capacidades.

O Sábio perguntou-lhe então: – Que aprendeste no teu Caminho?

O Homem respondeu: – Aprendi que há em mim aspectos que consigo melhorar e outros que não consigo alterar.

O Sábio retorquiu: – Isso é bom!

Mas o Homem prosseguiu: – Sim. Mas começo a ficar cansado de lutar contra tudo, contra todos, contra mim próprio. Isto nunca terá fim? Nunca terei descanso? Quero poder parar de lutar, desistir, abandonar tudo…

O Sábio prosseguiu: – Essa é a tua próxima lição. Mas antes de prosseguires, volta-te para trás e observa bem o Caminho que percorreste.

Olhando para trás, o Homem viu à distância o terceiro Portal e reparou que, no lado de trás, estava escrito:

ACEITA-TE A TI PRÓPRIO – O Homem surpreendeu-se por não ter visto a inscrição quando passara o Portal no sentido contrário e pensou que, quando se luta, fica-se cego para tudo o que esteja para além da luta. Reparou então em tudo o que deixara cair, que deitara fora, enquanto lutara contra si próprio: os seus defeitos, as suas sombras, os seus medos, os seus limites, tudo antigas preocupações suas. Aprendeu então a reconhecê-los, a aceitá-los, a conviver com eles. Aprendeu a amar-se a si próprio sem voltar a comparar-se com os outros, sem se julgar, sem se repreender.

O Sábio perguntou-lhe então: – Que aprendeste no teu Caminho?

O Homem respondeu: – Aprendi que odiar ou repudiar uma parte de mim próprio é condenar-me a nunca estar de acordo comigo mesmo. Aprendi a aceitar-me a mim próprio, total e incondicionalmente.

O Sábio retorquiu: -Isso é bom! Essa é a primeira regra da Sabedoria. Agora regressa ao segundo Portal.

Ao aproximar-se deste, o Homem leu, nas suas traseiras:

ACEITA OS OUTROS Reparou então em todas as pessoas com quem tinha estado em toda a sua vida, quer nas que tinha amado ou com quem tinha tido amizade, quer nas que lhe tinham desagradado. Naqueles que tinha apoiado e naqueles contra quem tinha lutado. Mas a sua maior surpresa foi que se apercebeu que agora nem notava as suas imperfeições nem os seus defeitos, que antes tanto o incomodavam.

O Sábio perguntou-lhe então:– Que aprendeste no teu Caminho? O Homem respondeu: – Aprendi que, estando em paz comigo mesmo, já nada me incomoda nos outros, nada neles temo. Aprendi a amar e a aceitar os outros, total e incondicionalmente.

O Sábio retorquiu: – Isso é bom! Essa é a segunda regra da Sabedoria. Regressa agora ao primeiro Portal.

Aproximando-se deste, o Homem leu a tardoz a inscrição:

ACEITA O MUNDO O Homem pensou que também não vira estas palavras quando ali passara no sentido contrário. Olhou à sua volta e reconheceu o Mundo que tentara conquistar, transformar, mudar. Ficou estupefacto pelo Brilho e pela Beleza de tudo, pela sua Perfeição. No entanto, era o mesmo Mundo de antes. Que mudara? O Mundo ou a sua percepção dele?

O Sábio perguntou-lhe então: – Que aprendeste no teu Caminho?

O Homem respondeu: – Aprendi que o Mundo é o espelho da minha alma. Que a minha alma realmente não pode ver o Mundo, que se vê a si própria nele. Quando a minha alma está alegre, o Mundo parece-lhe alegre. Quando está triste, assim lhe parece o Mundo. O Mundo em si não é alegre nem triste: Está lá. Existe, é tudo. Não era o Mundo que me perturbava, mas a ideia que eu tinha dele. Aprendi a aceitar o Mundo sem o julgar, a aceitá-lo total e incondicionalmente.

O Sábio retorquiu: – Essa é a terceira regra da Sabedoria! Estás agora em consonância contigo próprio, com os outros e com o Mundo.

Um profundo sentimento de Paz, de Serenidade, de Plenitude, encheu o Homem. Dentro dele, o Silêncio substituiu todo o fragor das lutas que travara.

E então o Sábio concluiu: – Agora, estás pronto para, quando chegar o momento, passares em paz o último e desconhecido Portal, aquele que vai do Silêncio da Plenitude para a Plenitude do Silêncio.

Adaptação de um texto de autor anônimo lido no blogue Southern Knight .

MENSAGEM DO PEDREIRO LIVRE
Tributo ao obreiro útil e dedicado

¨Aquele que não precisa de cargos com nomes imponentes para se sentir mais importante e melhor do que outros Irmãos; aquele que não precisa de alfaias e medalhas para se achar mais belo e ser o centro das atenções; aquele que não precisa pedir a palavra apenas para justificar ausência ou marcar presença nas Sessões, pois o silêncio, no momento certo, vale ouro; aquele que aprendeu que na Maçonaria nada é mais importante do que a Loja à qual pertence; aquele que aprendeu que os bons exemplos são as melhores instruções na vida; aquele que aprendeu que o Maçom serve à instituição – não a grupos ou interesses pessoais.¨

Autor : Irmão Newton Alcântara Filho

COMEMORAÇÕES NACIONAIS E MUNDIAIS 30 JANEIRO

30 de janeiro (quinta-feira), 30º dia de 2014 (335 dias para 2015)

DIA INTERNACIONAL DA NÃO-VIOLÊNCIA

Proclamado pela ONU e comemorado em 30 de janeiro. Há uma razão histórica e espiritual para a escolha dessa data. Em 1948, no dia 30, Mahatma Gandhi, líder indiano fundador do movimento de não-violência, foi brutalmente assassinado aos 78 anos. Quando se dispunha a orar juntamente com 500 pessoas, recebeu vários tiros disparados por Nathuran Vinayak Godse, um hindu fanático que nunca aceitou os sentimentos fraternos de Gandhi para com os muçulmanos. Suas últimas palavras foram: He Rama! (Oh, meu Deus!).

No dia de hoje, nós devemos pensar em todos os tipos de violência: As mulheres, crianças, cidadãos, portadores de necessidades especiais, adolescentes, animais, ao meio ambiente, urbana, etc.
Mas também devemos refletir sobre certas atitudes nossas que também são um tipo de violência como tratar mal as pessoas que estão ao nosso redor, tentar levar vantagem em cima delas, fazer fofocas e intrigas, levantar calúnias. Eu considero esses “pequenos” atos como um tipo de violência também, afinal, eles também fazem muito mal na vida das pessoas envolvidas. Esse é um dos principais tipos de violência que devemos combater. Que a não-violência comece em nós.

DIA DA SAUDADE– A saudade é a memória de algo ou alguém ausente – lembrança nostálgica e suave -, que vem junto com a vontade de ver novamente a pessoa ou o lugar que nos falta. É comum se manifestar entre parentes, amigos, casais enamorados, casados ou não. Quando viajamos, e depois retornamos, a sensação de nostalgia em relação aos novos lugares que conhecemos – principalmente aqueles de que mais gostamos – se faz muito presente, como no início de um amor. Ou, ao contrário, acontece de viajarmos e sentirmos saudade de nossa terra, nossa casa, travesseiro e cobertor ou simplesmente do pôr-de-sol visto de nossa própria janela.

DIA NACIONAL DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS – A data foi instituída pela Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas do Estado de São Paulo – AQC-ESP – em 1984, para homenagear o desenhista Angelo Agostini. No dia 30 de janeiro de 1869, ele publicou, no Brasil, a primeira história em quadrinhos em seqüência e com um personagem fixo. Intitulada As Aventuras de Nhô Quim ou Impressões de uma Viagem à corte, a HQ durou nove capítulos.

Dia Adotanimal comemorado no Estado brasileiro de São Paulo, conforme Lei Nº 14.907 de 19 de dezembro de 2012, em tributo de uma tradicional feira gratuita de adoção de animmais, realizada no Município brasileiro de Santo André-SP, com o apoio de veterinários e agentes da GCZ [Gerência de Controle de Zoonoses] da cidade, responsável por dar um lar para inúmeros animais, entregues ao novo dono já com o RGA [Registro Geral de Animal] cadastrado em nome do adotante, que sempre deve ter mais de 18 anos, e os cães e gatos já são castrados, vacinados, vermifugados, de banho tomado e com antipulgas.

Dia da Ginástica Olímpica comemorado na cidade brasileira de São Paulo-SP, conforme Lei Nº 12.502 de 16 de outubro de 1997 e Lei Nº 14.485 de 19 de julho de 2007, para marcar a data da fundação da FPG [Federação paulista de Ginástica], ocorrida em 30 de janeiro de 1956..

Dia do Gasista comemorado no Estado brasileiro de São Paulo, conforme Lei Nº 3.678 de 29 de dezembro de 1982, para marcar a data da Assembléia de fundação do Sindgasista [Sindicato da Produção, Transporte, Instalação e Distribuição de Gás Canalizado do Estado de São Paulo], que se deu em 30 de Janeiro de 1944 com a participação de 55 trabalhadores, mas cuja fundação apenas seria oficialmente registrada em 24 de Março de 1945, depois de haver sido apresentada toda a documentação e preenchidas todas as exigências então requeridas pelo regime político do “Estado Novo” que naquele tempo ainda estava vigente no Brasil, incluindo um atestado ideológico emitido pela Superintendência da Ordem Política e Social para os candidatos a dirigentes de qualquer entidade brasileira classista.

Dia do Pajador Gaúcho comemorado no Estado brasileiro do Rio Grande do Sul, conforme Lei Nº 11.676 de 16 de outubro de 2001, para marcar a data do nascimento do payador, poeta e radialista brasileiro, Jayme Guilherme Caetano Braun (conhecido como “El Payador” além de utilizar por vezes, os pseudônimos de Piraju, Martín Fierro, Chimango e Andarengo), que veio ao mundo em 30 de janeiro de 1924 em Timbaúva (hoje cidade brasileira de Bossoroca-RS), e que é bastante prestigiado também na Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai.

Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos comemorado por brasileiros e instituído em 1984 pela AQC [Associação de Quadrinhistas e Cartunistas do Estado de São Paulo], para marcar a data da publicação de “Nhô Quim” ou “As Impressões de uma Viagem à Corte”, um livro de HQ que foi criado pelo artista ítalo-brasileiro, Angelo Agostini, e lançado em 30 de janeiro de 1869 como a 1ª obra de histórias em quadrinhos do Brasil e uma das mais antigas do mundo, para contar de forma caricata as façanhas de um caipira que vai para a cidade brasileira do Rio de Janeiro-RJ e então se choca com a civilização meio rural, meio urbana do lugar, em cuja data a AQC aproveita para homenagear os melhores artistas do ano anterior e destacar os mestres do quadrinho nacional brasileiro, através de uma votação realizada entre profissionais da área, amadores, estudiosos e aficionados pelos quadrinhos nacionais do Brasil.

. Fonte: DiasDe

FATOS HISTÓRICOS

1592 – É eleito o Papa Clemente VIII.

1648 – Assinado na cidade de Münster um dos Tratados de Paz de Vestfália que deu fim à Guerra dos Oitenta Anos.

1649Carlos I de Inglaterra é executado.

1791Tabela cronológica da Revolução Francesa: Mirabeau é eleito presidente da Assembleia.

1933Adolf Hitler é nomeado Chanceler alemão pelo presidente Paul von Hindenburg.

1938 – Emancipação política do município brasileiro de Governador Valadares, estado de Minas Gerais.

1944Segunda Guerra Mundial: Tropas norte-americanas invadem Majuro, nas Ilhas Marshall.

1948Mahatma Gandhi é assassinado, aos 79 anos, por um hindu.

1968 – Começa a Ofensiva de Tet pelas forças Viet Cong que atacaram várias cidades do Vietname do Sul, incluindo Saigão.

1969 – Última apresentação pública dos Beatles antes de se separarem.

1972 – O exército britânico mata 13 católicos em Londonderry, na Irlanda do Norte, durante manifestação por direitos civis, no episódio conhecido como Domingo Sangrento (Bloody Sunday).

1979 – O Boeing 707-323C prefixo PP-VLU operado pela Varig desaparece no oceano Pacífico trinta minutos após ter partido de Tóquio.

1995 – Surgimento do Microsoft Bob.

2003França apreende Boeing da Varig por falta de pagamento do contrato de leasing.

2007 – A Microsoft lança o Windows Vista.

Fonte: Wikipedia

Frase do Dia: Violência gera violência, os fracos julgam e condenam, porêm os fortes perdoam e compreendem.

Augusto Cury

Deixe uma resposta