FATOS DESTAQUES, CULTURA, REFLEXÃO MAÇÔNICA E COMEMORAÇÕES 09 JANEIRO

 
Share Button

FATOS DESTAQUES, CULTURA, REFLEXÃO MAÇÔNICA E COMEMORAÇÕES 09 JANEIRO

1822 – EM CONSEQUÊNCIA do manifestado elaborado por frei FRANCISCO SAMPAIO (maçom) e articulado por JOAQUIM GONÇALVES LEDO e CLEMENTE PEREIRA, o príncipe Dom Pedro decide ficar no Brasil.

1871 – FUNDAÇÃO do SC para a América Central, em São José da Costa Rica, transferido em 1887 para a Guatemala.

1926 Fascista tomam todos os imóveis Maçônicos na Itália.

1928 – FUNDAÇÃO do GO Espanhol.

Fonte: Grande Secretaria da Educação e Cultura/GOU
Grande Oriente Universal

CULTURA MAÇÔNICA

POR SEUS FRUTOS É comum no meio maçônico dizer que determinada pessoa sempre fora Maçom, mesmo antes de ter-se iniciado. Isto porque tal indivíduo é detentor de qualidades e virtudes características de um verdadeiro maçom. Mas quais são essas marcas que levam alguém a ser considerado um maçom nato? Como se pode afirmar tal coisa sem risco de se enganar?

O livro sagrado nos dá o caminho. Nele está escrito: “conhece-se a árvore pelos frutos que produz. É impossível que uma boa árvore produza maus frutos, assim como é impossível á árvore ruim produzir bons frutos”. Assim é o homem: se dele advém boas coisas, atitudes corretas, gestos edificantes, ele é como uma boa árvore que produz bons frutos. Se for o contrário, se seu caráter for falho, por mais que tente mascarar sua personalidade, não conseguirá: é uma árvore ruim, que produz frutos ruins. O poeta e filósofo Emerson disse: “o que a pessoa é na realidade paira sobre sua cabeça, e brada tão alto que é impossível ouvir sua voz dizendo o contrário numa vã tentativa de ludibriar os outros”.

Quando o neófito encontra-se à porta do templo e é anunciado , como um candidato a conhecer os Augustos Mistérios Maçônicos, é perguntado como pode ele conceber tal propósito. A resposta dada constitui-se na primeira característica necessária a um Maçom nato: “Porque ele é livre e de bons costumes”.

O homem livre é aquele capaz de oferecer-se como causa interna de seus sentimentos, atitudes e ações, por não estar submetido a poderes externos que o forcem e o constranjam a sentir, a fazer e a querer o que quer que seja. A liberdade não é tanto o poder para escolher entre várias possibilidades, mas o poder para auto determinar-se, dando a sí mesmo regras de condutas.
Portanto, somente é de fato livre, aquele que é senhor de sí mesmo. O verdadeiro maçom, sabe respeitar a liberdade alheia , conhece os limites entre o certo e o errado e não se rende às paixões ignóbeis. Ele tem consciência de que, como afirmou o filósofo Nietszche: “A ação mais alta da vida livre, é nosso poder para avaliar os valores”.

Ser de bons costumes equivale a dizer que ele um homem íntegro, que tem sua conduta pautada em sólidos princípios éticos e morais, que é um cidadão exemplar, cumpridor de seus deveres, reto em seus compromissos, honesto em seus negócios, um bom pai de família, respeitador e correto em todos os sentidos.

Na continuidade do processo de iniciação é perguntado se o neófito encontra-se preparado para ingressar na Sublime Ordem. Eis a resposta: “Sim, pois seu coração é sensível ao bem”. Temos aí a segunda marca de um legítimo Obreiro da Humanidade: possuir um coração sensível ao bem.

O coração de um maçom não aceita as injustiças e não compactua com o erro e a maldade. E mais do que isso, ele se inquieta, se revolta e luta contra todo tipo de injustiça e opressão. Ao longo de toda história da humanidade a Maçonaria tem-se empenhado em duras batalhas contra a tirania o despotismo e o obscurantismo, sofrendo com isso conseqüências dolorosas, perseguições implacáveis que resultaram no flagelo e na morte de vários irmãos. Ela porém jamais se curvou, jamais abriu mão de seus nobres ideais, nunca se omitiu em sua missão altruística, em sua luta inglória em favor da Liberdade, da Igualdade, e da Fraternidade.

Igualmente hoje quando o futuro da raça humana aponta para rumos incertos, a influencia benéfica e restauradora da Maçonaria se faz necessária. Num momento em que nossa pátria no olho de uma crise mundial passa por momentos difíceis devido ao estado fragilizado de sua economia, o que leva a muitos passarem apertos financeiros, está em voga a prática do salve-se quem puder e do cada um por si. Muitos são os adeptos da famigerada Lei de Gerson, onde o importante é levar vantagem em tudo. Quando testemunhamos a importância e a natureza sagrada da família sendo relegada a segundo plano por motivos fúteis, quando vemos as drogas, a violência e todo tipo de criminalidade assolando a sociedade, nós, os pedreiros livres, não podemos nos omitir.
Batalhas, embora não sangrentas como as da Antigüidade, mas igualmente árduas, esperam por nossa ação. Não mais a espada, mas nossa determinação, nosso exemplo, nossos propósitos de aperfeiçoamento são nossas armas.

O juramento sagrado proferido pelo maçon com a mão direita sobre o Livro da Lei (Bíblia Sagrada), é um compromisso assumido com Deus , com os irmãos, mas sobretudo consigo mesmo, compromisso este de, através do auto aperfeiçoamento, contribuir significativamente para o aprimoramento de toda a humanidade.

Se ali se encontra um incauto, um dissimilado que equivocadamente foi levado ao processo de iniciação, lamentavelmente tal pessoa não passará de uma grande decepção. Com certeza, as exigências das práticas maçônicas, pesadas ao fraco de caráter, se encarregará com o tempo de excluí-lo da Maçonaria.

Mas se ao contrário, o homem postado diante do Altar dos Juramentos, for da estirpe dos grandes homens, se trouxer consigo as marcas indeléveis que caracterizam os verdadeiros maçons, estará o mundo ganhando um lutador valioso, um guerreiro do Bem e da Justiça.

Quisera todos os homens livres e de bons costumes do planeta tivessem a mesma oportunidade, para que no ambiente propício de uma oficina maçônica, recebendo a inspiração da Filosofia ali difundida, pudessem direcionar seus esforços de forma efetiva em prol da construção de um mundo melhor.

O verdadeiro maçom sabe que não há melhor argumento que sua própria vivência . Ele se impõe no seu ambiente influenciando-o positivamente, não de forma arrogante ou arbitrária, mas por sua conduta exemplar e inquestionável. Ele é enérgico porém bondoso. Firme, porém humilde. Sua bondade e humildade residem no fato de saber que, a despeito de num dado momento de sua vida maçônica ser simbolicamente denominado mestre, na prática será sempre aprendiz. Aprende-se a todo instante e de todas as formas. O Maçom é o pedreiro de sí mesmo, e por mais que a obra esteja adiantada, sempre faltará um retoque, pequeno que seja. E depois outro, outro, e mais outro, assim infinitamente. Por mais que se saiba, por mais evoluído que seja, sempre restará algo a aprender, novas lições a assimilar. Na escola da vida não há formandos, ou formados, apenas eternos alunos em busca do aperfeiçoamento.

Fixemo-nos pois, nas principais características que distinguem o verdadeiro Maçom e não nos desvirtuemos de nosso objetivo maior. Mantenhamo-nos livres e firmes na prática dos bons costumes, e que com o auxilio do “Grande Arquiteto do Universo” nossos corações sejam cada vez mais sensíveis ao bem.

E lembremo-nos sempre: “o que para o profano é um gesto meritório, para o Maçom é um dever sagrado.”

Fonte: Aminternacional

REFLEXÃO MAÇÔNICA

O MESTRE E A ÁGUIA Retirei-me ao fundo, de um cenário profundo da natureza, e peguei-me novamente em observação. Estava em um complexo de ilhas fluviais, com o intuito de saciar-me com frutos do pescado, em completo entregar de repouso mental. Deitado em berço esplendido, à meia proa de uma canoa, de repente, começo a ver debater enormes tucanarés pescados por meu fiel Escudeiro. Imagens maravilhosas, como a dança das andorinhas. Iam e vinham, num trocar cinográfico, de posições, em estalar de sentidos; Flechas ao ar; Hora os que na frente estão, milésimos de segundos, atras se faz. É incrível imaginar o Ser que os governa. O Show que por instantes presenciamos; Ei Mestre, estamos aqui.

Aplauso. Primeiro ato.
Encostamos as naus.
Deliciei-me na oportunidade, de fazer na armação do acampamento, ao troco perfurado como chaminé, pelo tempo, no cenário de fundo, ali pintado, real, o fogão das minhas habilidades como Chef.
Recordo-me em tempo, os sabores ali delineados nas panelas, com a caldeirada regional amazônida.

Mas estamos aqui, agora, pelo quadro do Terceiro ato.
O momento em que o Mestre se retira.
Desta vez, segue contigo o Escudeiro, como para ver tão bela sena que os Seres do Criador preparou para ser visto.
A Águia.
O Céu ali.

As árvores aos fundo.
O RIO. Afluente largo do NEGRO.
Uma imagem sensacional.

Ela pairava no ar, com o vento passando pelos recantos das asas.
O ar, incrivelmente sustentava aquele Ser enorme, em um plano no horizonte do Céu.
E bailava da direita, e da esquerda.
Pouco subia, pouco descia.
Esperava talvez, que o Mestre a visse. E o Mestre a viu.
E Ela olhou-lhe.
E ao imenso Universo, observo, Ela virou-se um pouco, como acenasse para que pudesse observar o que iria fazer.
E Ela, arremeteu-se como uma flecha sobre as águas.

Expressei-me: Nossa!
O que que é isso?
E Ela, sai-me de dentro das águas, com um força enorme, por uma presa que trazia firme entre suas garras.
Jamais, vi tamanha força para deslocar no ar.
Tudo não seria possível, se ali, não testemunha-se o que estava visto.
Ela com uma força brutal, deslocou-se para terra firme, para também deleitar-se em seu sustento, a caça.

O que trazia, era um peixe muito grande, para que pudesse segurar somente com uma das garras, visto o tamanho e sufoco, para a condução.
Tentando aterrizar em lugar seguro, não ocorreu.
Uma, ou duas tentativas. Senão trés.
Visto nenhum pouso seguro, a de se pensar o que fez a Nobre estirpe da Criação.
Trouxe o peixe de volta ao rio, lá soltando, visto crer, não poder fazer uso dele.
Não o descartou-o.

Ao contrario, retornou exatamente ao lugar que havia pescado, e lá o soltou.
De onde veio este sentimento.
Por que vi isto?
Aplaudi novamente no Terceiro ato.
Poderia tê-lo jogado na mata, na beirada do Rio, … onde quer que fosse. Mas não o fez.
Por que?

Não me contive. Amei a cena. Sensacional. Bravo.
Aplausos. Já, a muito, estava de pé.

E Eu, em misto e reflexão e apego, me pego novamente em Observação.
O Terceiro Ser, tem suas formas de ser, em todos os Seres.
E em muitas das vezes, … Esses Caras são Nobres.
Sinto a presença deles, …
O Terceiro Ser.

Richard Maia SGMG/GOU
Grande Oriente Universal.

Frase do Pedreiro Livre: ” Com muita sabedoria, estudando muito, pensando muito, procurando compreender tudo e todos, um homem consegue, depois de mais ou menos quarenta anos de vida, aprender a ficar calado. ” ( Millôr Fernandes )

COMEMORAÇÕES NACIONAIS E MUNDIAIS DE 09 JANEIRO

DOM PEDRO AS MARGENS DO IPIRANGA

Dia do Fico – 09 de janeiro de 1822 O Dia do Fico comemora-se anualmente no dia 9 de janeiro. A importância do Dia do Fico para o Brasil reside na famosa frase do Dia do Fico, proferida por D. Pedro, um dos mais importantes passos no caminho para a independência do Brasil, que acabaria sendo proclamada com o grito do Ipiranga alguns meses depois.

Foi nesse dia, 9 de janeiro de 1822, que o príncipe regente do Brasil, D. Pedro de Alcântara, contrariou oficialmente as ordens da côrte portuguesa, e ao invés de voltar para Lisboa, como Portugal tinha exigido, decidiu ficar no Brasil.

Importância do Dia do Fico
O Dia do Fico (9 de janeiro) é uma data importantíssima na história do país, porque é o primeiro passo para a Independência do Brasil, que só viria a acontecer no dia 7 de setembro desse mesmo ano, 1822.

Dia do Fico – Estas foram as palavras proferidas por D. Pedro de Alcântara no dia 9 de janeiro de 1822, esta é a famosa frase do Dia do Fico:

“Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto! Digam ao povo que fico”.

D. Pedro de Alcântara disse isso depois de ter sido convencido por 8 mil assinaturas pedindo que ele ficasse. Essas assinaturas foram recolhidas pelos liberais radicais, que, juntamente com o Partido Brasileiro, já vinham tentando manter a autoridade do Brasil. A Côrte portuguesa queria reverter o estatuto do Brasil novamente para colônia e estava exigindo que D. Pedro voltasse imediatamente para Portugal.

Mas D. Pedro decidiu ficar, e a Independência do Brasil ficou bem mais perto.

Dia do Fico – Comovido com a confiança dos brasileiros, Dom Pedro I, em 9 de janeiro de 1808, dizia a célebre frase: Como é para o bem de todos e a felicidade geral da nação, estou pronto. Digo ao povo que fico.

Dia do Astronauta Em 1961, o cosmonauta da então União Soviética, Yuri Gagarin, inaugurou uma nova fase na corrida espacial com a frase “A Terra é azul”. Era o dia 12 de abril e aquela era a primeira vez que um ser humano chegava ao espaço. Antes dele, a cadela Laika, também a bordo de uma espaçonave soviética, já havia passeado pela órbita terrestre. A corrida espacial polarizou os conflitos da guerra fria entre os Estados Unidos e a União Soviética. A resposta americana viria anos mais tarde. Em 20 de julho de 1969 uma nave tripulada pousava em solo lunar. O astronauta Neil Armstrong emocionou o mundo ao dar os primeiros passos e dizer: “Este é um pequeno passo para o homem, mas um gigantesco salto para a humanidade”.

A corrida espacial continuou e muitas missões tripuladas foram lançadas ao espaço. Algumas trágicas, como a despressurização da nave soviética Soyuz T-11, que matou seus 3 tripulantes em 1971, ou a explosão do ônibus espacial Challenger, em 1986, que matou seus 7 astronautas. Ainda assim, os avanços tecnológicos e os testes científicos e, sobretudo, a vontade do homem de conhecer o inexplorado, fez com que se pensasse cada vez mais longe. A meta da NASA (Agência Espacial Americana) é conquistar o solo marciano nas próximas décadas.

Atualmente, a conquista espacial é uma objetivo que reúne várias nações. A ISS (Estação Espacial Internacional) é o resultado do esforço de 16 países, entre eles o Brasil.Nada disso seria possível, no entanto, sem uma peça fundamental: o astronauta. São homens e mulheres com uma formação teórica e física que os fazem quase super-humanos. E o Brasil já tem um representante neste seleto grupo. É o astronauta Marcos Pontes, que em 2006 vai participar de sua primeira missão no espaço. Pontes vai integrar a tripulação que ficará na ISS para a realização de testes e reparos na estrutura da estação.

Dia da Festa do Senhor do Bonfim, comemoração móvel do Estado brasileiro da Bahia: 2ª quinta-feira de janeiro.

Dia da Adoção da Bandeira do Estado brasileiro do Paraná comemoração oficializada pelo Decreto Nº 8 de 9 de janeiro de 1892.

Dia da Defensoria Pública do Estado comemorado no Estado brasileiro de São Paulo�, conforme Lei Nº 14.780 de 14 de maio de 2012, para marcar a data da Lei Complementar Nº 988 de 9 de janeiro de 2006, que então organizou a Defensoria Pública do Estado paulista e instituiu o regime jurídico da carreira de Defensor Público do Estado de São Paulo.

Dia de Ação Contra a Dengue comemoração mensal do Estado brasileiro do Paraná,conforme Lei Nº 17675 de 10 de setembro de 2013, para ser celebrada no dia 9 de cada mês.

Dia do Astronauta ou “Astronaut Day” comemorado nos Estados Unidos da América, para marcar a data da realização do 1º vôo conhecido de balão na história da América do Norte, ocorrido em 9 de janeiro de 1793 na localidade norte-americana da Filadélfia-EUA, graças ao pioneirismo do inventor francês, Jean-Pierre Blanchard.

Dia do Fico comemorado no Brasil, para marcar a data da recusa do então herdeiro do reino português, Dom Pedro I do Brasil, que então decidiu em 9 de janeiro de 1822 não voltar para Portugal, desobedecendo a ordem das Cortes de Lisboa com a histórica frase: “Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto: diga ao povo que fico”.

Dia do início da Semana Estadual da Campanha de Respeito ao Tráfego Aquaviário e de Banhistas comemorado no Estado brasileiro da Paraíba, conforme Lei Nº 9.616 de 27 de dezembro de 2011, com o fim de prestar informações para orientar tanto responsáveis por embarcações, quanto banhistas sobre quais os direitos e deveres de cada um, quando o Poder Executivo paraibano fica autorizado a firmar convênio com instituições, para que seja elaborada campanha publicitária de divulgação e esclarecimentos dirigida à população.

Fonte: DiasDe

OUTROS FATOS DESTAQUES DIA 09 DE JANEIRO

1923 – Pela primeira vez se fez um voo num helicóptero. O autor da façanha, realizada na Espanha, foi Juan de la Cierva.

1943 – O Brasil declara sua adesão à Organização das Nações Unidas e à Carta do Atlântico.

1969 – Dia do Astronauta – Tamanho 41. Essa é a medida do primeiro pé humano – o do astronauta Ir.’. Neil Armstrong – a pisar na superfície da Lua. Era o dia 20 de julho de 1969, às 23h56min (horário de Brasília), quando em quase todas as casas, escritórios, quartéis, bares e restaurantes deste mundo, a humanidade assistia boquiaberta pela televisão a um inacreditável espetáculo, sonho de nossos ancestrais: o homem chegara à Lua.

Frase do Dia: “Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto! Digam ao povo que fico“. D. Pedro de Alcântara em 09/01/1822


Deixe uma resposta