Albert Pike

Albert Pike nasceu em 29 de dezembro de 1809 e era o filho mais velho de seis irmãos do casal Benjamin e Sarah Andrews Pike. Pike cresceu em um ambiente cristão freqüentando uma igreja Episcopal. Foi aprovado no exame de admissão Colégio de Harvard quando tinha 15 anos, mas não conseguiu freqüenta-lo por falta de dinheiro.

Depois de viajar pelo oeste americano pela região de Santa Fé, Pike estabilizou-se no Arkansas, onde trabalhou como editor de um jornal local. No Arkansas, encontra Mary Ann Hamilton e casa-se em 28 de novembro de 1834. Desta união nasceram 11 filhos.Pike foi advogado, poeta, um profícuo escritor, general de brigada no Exército dos Estados Confederados da América e maçom. Era um leitor voraz, interessado especialmente em religiões e sistemas filosóficos das culturas antigas. Como general não comandou nem tropas brancas nem negras, mas índios americanos. Estudou e respeitou a opinião religiosa de seus comandados. Mas não importa como profundamente sondou em outras religiões, nada mudou em Pike, sempre foi um cristão devoto.


Tinha 41 anos em 1850 quando foi iniciado na Loja Western Star Nº 2 em Little Rock, Arkansas. Muito ativo na Grande Loja do Arkansas, Pike galgou até o 10º grau do Rito de York de 1850 a 1853. Recebeu o grau 29º do R.E.A.A. em março de 1853 de Albert Gallatin Mackey em Charleston, S.C.


O R.E.A.A. havia sido introduzido nos Estados Unidos em 1783 e a cidade de Charleston foi o local do primeiro Supremo Conselho deste Rito, até que um outro Conselho, o Supremo Conselho do Norte foi estabelecido na cidade de New York em 1813. A divisão de jurisdição entre o Sul e Norte foi regulamentada 1828 e permanece até hoje.


Mackey então convidou Pike a participar da Jurisdição do Supremo Conselho do Sul em 1858 em Charleston chegando ao cargo de Grande Comandante deste Conselho no ano seguinte. Pike prendeu-se a este cargo até sua morte, dedicando-se a diversas atividades do Conselho, inclusive a advocatícia. Entretanto, Pike foi envolvido pela guerra civil americana dedicando-se grande parte de sua vida à ela. Vivia freqüentemente pedindo o dinheiro para suas despesas básicas, até que o conselho votou uma anuidade de U$ 1.200,00 em 1879 pelo resto de sua vida. Pike faleceu em 2 de abril de 1891 com 81 anos em Washington, D.C..


Para que o R.E.A.A. pudesse sobreviver, Pike realizou uma importante e necessária revisão deste Rito. Nesta empreitada foi incentivado por Mackey para produzir um ritual padrão para o uso em todos os estados da Jurisdição do Sul. A revisão começou em 1855 e depois de algumas alterações o Conselho Supremo endossou a revisão de Pike em 1861. Mudanças menores foram feitas em dois Graus, mais tarde em 1873, em conseqüência de afirmações que os graus 29° e 30° revelavam segredos do Rito de York.


Pike escreveu diversos livros de História, Filosofia e viagens, sendo o mais famoso “Morais e Dogma”, assim Pike é muito mais conhecido pela sua maior obra publicada em 1871 e não pela revisão do R.E.A.A.. Também, sua obra “Morais e Dogma” não deve ser confundida com a revisão do R.E.A.A, são trabalhos separados. Walter Lee Brown escreveu: “Pike pretendia que (Morais e Dogma) fosse um suplemento ao Rito Escocês, onde abrangia grande instrução moral, religiosa e filosófica completando assim, sua revisão do R.E.A.A.”

Até 1974 “Morais e Dogma” era tradicionalmente presenteado aos candidatos ao Grau 14 º do R.E.A.A., atualmente é fornecido aos candidatos a obra “Uma Ponte para a Luz” (A Bridge to Light) de Rex R. Hutchens. “É lamentável que “Morais and Dogma” seja lido apenas por alguns maçons. “Uma Ponte para a Luz” foi escrito para ser uma ponte entre as cerimônias dos Graus e a leitura de “Morais e Dogmas””, afirma Hutchens.

“Masonry is not a religion. He who makes of it a religious belief, falsifies and denaturalizes it.”
(A Maçonaria não é uma religião. Aquele que faz dela uma opinião religiosa falsifica-a e a desnaturaliza.)

Albert Pike; “Morals and Dogma” (p. 161)

D.Cezaretti / 2005



Bibliografia:
Traduzido do texto publicado no site da PIETRE-STONES Revista da Maçonaria.
O livro “Morais e Dogma” está publicado on-line (em inglês) no site http://www.freemasons-freemasonry.com/

Você pode gostar...

Deixe uma resposta