Seja um colaborador do Brasil Maçom

O quarto grau – Arco Real

O Arco Real permanece como o arco-íris da promessa no Ritual; é a promessa da ressurreição; daquilo que foi perdido e que será recuperado. A questão que surge é se a Palavra do Mestre foi originalmente comunicada no Terceiro Grau? Sobre este ponto, há alguma diversidade de opiniões. No nosso actual Ritual do Terceiro Grau, a Palavra do Mestre está perdida. O Dr. Oliver, um notável historiador maçónico, diz: “A Verdadeira Palavra nunca foi perdida, mas transferida para o Arco Real“, e em corroboração desta afirmação diz ainda: “Tenho diante de mim uma velha gravura francesa da Obra Fundamental da Loja do Mestre, datada de 1740, contém os emblemas usuais e no caixão está a ‘Palavra Verdadeira’ em maiúsculas romanas“. Isto tenderia a provar que antes da lenda de Hiram Abiff ser introduzida no Grau de Mestre, a Verdadeira Palavra foi comunicada no Grau de Mestre,  e não como uma Palavra Substituta. Seguiu-se necessariamente que, quando a lenda de Hiram se tornou parte do Ritual deste grau, seguiu-se a “perda” da “Palavra”, pois a “perda” é uma parte da lenda Hirâmica. Mas a “perda” sem uma “recuperação” seria um absurdo; para completar o simbolismo da Maçonaria, o “Verbo” deve ser recuperado, daí a necessidade de um Quarto Grau, o Arco Real.

Em 1738, ou antes, a história da perda da Palavra e a nova lenda, o Arco Real, foram gradualmente introduzidas nas lojas, e quando a divisão ocorreu, (1751) dividindo a Maçonaria da Inglaterra em “Modernos” e “Antigos”, o último organizou uma Grande Loja e adoptou um Ritual de Quatro Graus, o quarto sendo o Arco Real.

A Grande Loja dos “Modernos” evidentemente continuou a usar o antigo Ritual, sem a lenda de Hiram Abiff, enquanto a Grande Loja dos “Antigos” usou o novo Ritual contendo a lenda Hirâmica e o Quarto Grau, até ao ano de 1813, quando as duas Grandes Lojas se uniram e formaram a actual Grande Loja de Inglaterra, conhecida como Grande Loja Unida de Inglaterra. É, portanto, à Grande Loja dos Antigos que devemos o grau de Mestre conforme consta no nosso Ritual e também a preservação do Grau do Arco Real. Um dos artigos de união das duas Grandes Lojas de Inglaterra em 1813 foi a retenção dos graus conforme formulado pela Grande Loja dos “Antigos”; portanto, entre os artigos do acordo desta união, encontramos a única declaração feita em qualquer lugar ou em qualquer momento sobre o que constitui “Antiga Maçonaria”. Este artigo declara que “A Maçonaria Antiga consistirá nos graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre Maçom, junto com o Sagrado Arco Real“.

Vemos, portanto, que o Arco Real é meramente a evolução de uma verdade contida no início do Terceiro Grau. Não é um “Grau Superior”, mas o último volume da série em uma história sublime revelada através do simbolismo. O Grau de Mestre sem o Arco Real é uma história contada pela metade, uma canção não cantada e uma promessa não cumprida. O candidato recebe a promessa de receber, mas é dispensado com um “substituto”. Ele é deixado nas trevas, na dúvida, e para o pensativo, numa condição de decepção. No entanto, há um propósito por trás desse aparente engano. A luz e a verdade revelada só vêm por meio de labuta e serviço voluntário. Esta lição deve ser aprendida antes que qualquer Maçom seja qualificado para conhecer e apreciar a Verdade, a Palavra do Mestre. É, possivelmente, lamentável que o Grau do Real Arco tenha sido separado dos “Graus Azuis”; mas seja feliz ou infeliz, o Arco Real permanece como o último dos graus na Maçonaria Antiga. É o cume e nenhum Mestre Maçom está na posse de tudo o que a Maçonaria ensina sem o Arco Real. A série de quatro graus continuou a ser conferida sob uma carta patente até cerca de 1750, pelo menos na América. A história mais antiga que temos do Arco Real neste país foi em 1758, quando foi conferido sob uma carta patente, em Filadélfia. Foi introduzido em Nova York quase na mesma época por uma loja militar inglesa, em Massachusetts, em 1869, onde foi conferido pela Loja St. Andrew’s.

Desde então, o Grau do Real Arco permaneceu seguro no seu lugar superior. “O termo Loja do Arco Real foi sucedido pelo Capítulo e pelo Capítulo do Arco Real. A palavra Capítulo foi usada em Connecticut já em 5 de Setembro de 1783; na Pensilvânia, em 5 de Setembro de 1789, em Nova York, 29 de Abril de 1791; em Massachusetts, 19 de Dezembro de 1794. A palavra Capítulo tomou o lugar da Loja em Inglaterra, pela primeira vez, em 29 de Abril de 1768. A palavra Companheiro, usada no Capítulo no lugar de Irmão, foi usada pela primeira vez em Inglaterra em 1778. Estes termos, Capítulo e Companheiro, foram logo transportados para a América, onde floresceram como elementos do sistema Capitular de graus.

Esta é, em resumo, a história do Grau do Arco Real; a sua linhagem é tão legítima quanto qualquer um dos graus da Antiga Maçonaria; surgiu da introdução da Maçonaria Especulativa na Maçonaria Operativa – o fruto do simbolismo e da alegoria. Ser um Mestre Maçom é o grau mais elevado e honroso que qualquer homem pode atingir; dá-lhe todos os direitos e privilégios da Arte; todos os chamados altos graus acumulados nada acrescentam à sua estatura Maçónica. O Arco Real faz parte do Grau de Mestre – o ápice da sua excelência. É o privilégio e deve ser o dever do Mestre Maçom completar a história Maçónica, contada em alegoria e revelada em simbolismo ao receber o Arco Real.

Você estará inscrito como alguém que vive naquela geração futura que o descobrirá? Aja agora.

Índice

O Grau de Mestre de Marca

Os graus do Capítulo são: Mestre de Marca, Antigo Mestre, Muito Excelente Mestre e Mestre do Arco Real. A origem do Grau de Mestre de Marca é velada na obscuridade, como todos os graus Maçónicos, mas, como os outros, ele surgiu no período anterior da Maçonaria especulativa.

Era costume que os Maçons operativos seleccionassem para si uma Marca, a ser colocada em cada peça de trabalho feita por eles. Isto era feito para controlar o trabalho de cada Maçom operativo pelos Supervisores e para facilitar o pagamento dos salários. Cada Marca era distinta e a mesma Marca frequentemente descia de pai para filho por várias gerações.

Estas marcas podem ser vistas hoje nas pedras das antigas catedrais da Europa. Cópias fac-símile são reproduzidas em todas as histórias Maçónicas. Na Escócia, o Maçom operativo foi obrigado a registrar a sua Marca pelos Estatutos de Shaw, emitidos em 1598. A partir deste requisito de registro da Marca, foi evidentemente desenvolvido o Grau.

O registro mais antigo do Grau de Mestre de Marca sendo conferido na Escócia, data de 7 de Janeiro de 1778. No entanto, isto não prova que o grau não tivesse sido conferido numa data muito anterior. Estes registros também contêm a informação de que o Grau de Mestre de Marca não podia ser conferido a ninguém que não tivesse recebido o grau de Companheiro e Mestre. Um relatório feito à Grande Loja dos Maçons Mestres de Marca de Inglaterra afirma: “Provavelmente não há nenhum Grau na Maçonaria que possa reivindicar maior antiguidade do que os de “Homem de Marca” ou “Maçom de Marca” e “Maçom Mestre de Marca””.

O grau foi conferido na Nova Escócia em 1784; no Connecticut em 1791; em Nova York em 1791 e em Boston em 1793. Como o Arco Real, o Grau de Mestre de Marca foi originalmente conferido na Loja. Nos Estados Unidos, o Grande Capítulo Geral, R.A.M., emitiu as Cartas de Loja de Marca até 1853, quando foi proibida e o diploma passou para o controle do Capítulo. Èm Inglaterra, o grau está sob o controle da Grande Loja dos Maçons de Marca; no Canadá e na Escócia, o controle é exercido como nos Estados Unidos.

As lições do grau são intensamente práticas, enfatizando a grande exigência da vida, a saber: Qualificação e serviço.

O Grau de Antigo Mestre

O uso geral do termo, Antigo Mestre (Mestre Instalado), pelas Lojas Azuis, significa aquele que foi eleito, instalado e serviu por doze meses numa Loja regular. O uso geral do termo não implica um grau separado, embora em muitas lojas e anteriormente no Missouri, o grau honorário de Antigo Venerável (Mestre Instalado) seja conferido aos Mestres eleitos como parte da cerimónia de instalação. Este grau foi ou é conferido apenas na presença de Antigos Mestres. O grau é o segundo na série do Capítulo; daí surgiram os termos, Antigo Mestre Real  e Antigo Mestre Virtual, o último significando aquele que recebeu o grau num Capítulo, mas que não foi eleito ou serviu como Venerável Mestre numa Loja. Um Antigo Mestre Virtual não tem direito ao reconhecimento pela Grande Loja como Antigo Venerável (ou Mestre Instalado).

O Grau é antigo. Encontramos a expressão do Antigo Mestre usada em 1771 e implícita como alguém que “passou pela cadeira em alguma cerimónia”. A Constituição da Grande Loja de Inglaterra, 1723, fala do Mestre Instalado passando por certas “cerimónias significativas”. Não pode haver dúvida quanto à antiguidade do Grau. Ele data do nascimento da Maçonaria especulativa. A introdução do grau na Maçonaria Capitular deve-se ao facto de que, originalmente, o Arco Real era conferido apenas àqueles que tinham sido eleitos e presidiam a uma Loja como Veneráveis Mestres, mas era manifestamente injusto para uma grande parte dos irmãos ter tal restrição colocada entre eles e o Arco Real; a seguinte lei de 1789 ilustra este facto: “Nenhum Irmão pode ser exaltado até que tenha sido pelo menos três anos um Mestre Maçom e tenha presidido seis meses como Venerável Mestre de alguma Loja regular ou tenha passado na Cadeira de Dispensação“. Esta lei mostra a velha restrição e a modificação que estava a tomar forma, permitindo que outros que não os verdadeiros Antigos Mestres recebessem o Arco Real. Uma antiga lei encontrada na Loja Harmony, nº 52, em Filadélfia, 1799, declara: “Todo o irmão que não passou na Cadeira deve pagar quatorze dólares, dos quais a Dispensa será paga; se ele tiver passado pela cadeira por ter sido exaltado, oito dólares“.

Ou seja, um Antigo Mestre Real poderia receber o Grau do Arco Real por oito dólares, mas aquele que não recebeu o Grau da Antigo Mestre devia obter uma Dispensa do Grão-Mestre para o receber,  antes que pudesse ser feito Maçom do Arco Real, com um custo de quatorze dólares.

Quando o Grau do Arco Real deixou de estar sob o controle da Loja e se tornou um sistema separado, conhecido como Capítulo, o pré-requisito para o Arco Real permaneceu,  o Grau de Antigo  Mestre. O Grau de Antigo Mestre Virtual tornou-se parte da série de graus do Capítulo. A razão para este pré-requisito torna-se evidente quando as Lições deste grau tão abusado, mas bonito, são estudadas e compreendidas. A lição de obediência à autoridade é uma prova contra a anarquia, e quem deseja ensinar deve primeiro aprender a obedecer.

O Grau de Muito Excelente Mestre

Uma mentira bem contada e repetida constantemente torna-se uma verdade para pessoas crédulas. Isto aplica-se à afirmação frequentemente repetida de que Thomas Smith Webb fabricou o sistema americano de Graus Capitulares e as Ordens da Comenda dos Cavaleiros Templários. Qualquer homem que tenha um grama de cérebro, e use esse grama, descobrirá que os graus do Capítulo e as ordens da Comenda já existiam e foram conferidos quase cinquenta anos antes do nascimento de Webb. O Muito Excelente é frequentemente creditado ao seu cérebro fértil, e assim afirmado por alguns escritores Maçónicos, mas felizmente há registros em Massachusetts e Nova York da data de nascimento de Webb e das datas em que ele recebeu todos os graus Maçónicos. As datas mostram que o Muito Excelente era conhecido e conferido antes de Webb se tornar um Maçom do Arco Real.

A segunda metade do século XVIII foi prolífica em graus Maçónicos em França e em Inglaterra. Os graus de todos os Ritos podem datar o seu nascimento de 1723 a 1760, e no labirinto de nomes e títulos de graus encontramos uma verdadeira selva. Neste período, encontramos o sistema irlandês abrangendo a Cadeira, o Excelente, o Super Excelente, o Arco Real, o Cavaleiro Templário e o príncipe Rosa Cruz. O Sistema Escocês abrangeu: O Mestre de Marca, O Antigo Mestre, O Excelente Mestre e o Arco Real. O Capítulo de Santo André, em Boston, trabalhou o sistema Irlandês, excepto a Cadeira, de 1769 a 1797. Depois de 1799, foram conferidos, o Mestre de Marca, o Antigo Mestre, o Muito Excelente e o Arco Real. Um proeminente escritor Maçónico diz sobre a mudança: “Esta transição indica e sugere que o Grau de Super Excelente continha a medula e algo do osso do Grau de Muito Excelente“.

A partir de 1791, o Muito Excelente era um Grau bem conhecido e fazia parte do sistema Capitular. O Super Excelente deste período não deve ser tomado como o Super Excelente apêndice do Conselho de Mestres Reais e Selectos de hoje. O Grau de Muito Excelente é um prelúdio adequado para o Arco Real, um dos graus mais impressionantes nas suas cerimónias e sublimemente espiritual no seu simbolismo.

E o momento?

E o momento da Maçonaria? Mais brilhante, mais forte, mais clara. Muitas vezes ficamos desanimados e inclinados a ser pessimistas; mas no meio de todos os erros e tropeços, um dia melhor está a amanhecer e veremos os trabalhos benéficos da Maçonaria a brilhar no esplendor refulgente. A Maçonaria está a crescer em poder e em beneficência. À medida que os seus princípios imortais se enraízam no solo não cultivado do coração e da mente humana, ela brota e floresce na folhagem da bondade e no fruto Hesperidiano da caridade para com toda a humanidade. Embora o vagabundo Maçónico possa ser visto na bela auto-estrada da Maçonaria, há muitos mais hoje do que nunca, que estão a trabalhar em mente e coração nas minas espalhadas pelo tesouro do reino da Maçonaria.

A Maçonaria hoje significa mais do que aplausos negativos e princípios negativos; ela permanece proeminentemente como um poder vivo, crescente e irresistível, cujo fim e objectivo é a exaltação do homem e a glória do “Eu Sou o que Sou”. Os nossos antigos irmãos viajaram da Babilónia a Jerusalém – da escravidão para a liberdade – com um forte propósito em vista. Qual era o desejo tão preeminente nos seus corações? Qual foi o alicerce de zelo que os motivou a enfrentar as provações e adversidades daquela jornada cansativa? Deixemo-los falar: “Para ajudar na nobre e gloriosa obra de reconstruir a nossa Cidade e Templo do Senhor.” Era Trabalho, Trabalho, Trabalho. Não ociosidade e facilidade.

William F. Kuhn

Tradução de António Jorge

Fonte

  • Publicado originalmente em The Builder Magazine – February 1915 – Volume I – nº 2

Fonte: https://www.freemason.pt/o-quarto-grau-arco-real/?utm_source=mailpoet&utm_medium=email&utm_campaign=publicamos-mais-um-artigo-newsletter-post-title-freemason-pt_2

Você pode gostar...

Deixe uma resposta