TOLERÂNCIA OU OMISSÃO?

Sabia que ia me dar mal, qualquer dia, com essa mania de querer tudo certinho. Evivia em constante conflito existencial. Dizia sempre que não deveria ter nascido neste mundo, nem nesta época. Afinal, aprazia, a algumas pessoas, fazer as coisas erradas, relaxadamente, displicentemente, teimosamente? Porque não agiam conforme as regras? Seria tão bom se todos cumprissem seus deveres para consigo mesmo, para com os outros,
para com as instituições com as quais estivessem comprometidos.


Pois o fato é que, numa reunião importante, quase magna, com presença de ilustres convidados, um dos atores cometeu uma lamentável falha, ao instruir os novatos.

Todos os presentes assistiram. Notaram o erro tão crasso e tão evidente. Pareceu que uns disfarçaram e desviaram a vista. Outros, entretanto, me olharam, para ter certeza de que eu também havia observado. E aí, aconteceu. Nenhum comentário.


Ninguém se dispôs a falar Fiz um sinal ao Presidente. Nada. Mandei um bilhete ao 2° Vice-Presidente para que ele, no seu tempo e como responsável pela instrução, se encarregasse de ensinar a maneira correta de marchar. E nada.Um dos últimos a usar a palavra, disse à Assembléia que tínhamos duas atitudes:


silenciar, numa demonstração de desconhecimento ou de omissão, ou corrigir, ali mesmo, o engano. Levantei e falei, me referindo à forma errada como foi praticada parte do ensinamento. O constrangimento foi total.


No jantar que se seguiu, o desastrado ator, inconformado por ter sido chamado à atenção em público, ferido no seu amor próprio, veio me tirar satisfações e expressar sua revolta com minha atitude.


Tentou-se ali, num grupo circunstante, resolver o assunto, fraternalmente.


Desculpas, abraços, beijos, a turma do deixa disso, o reconhecimento mútuo do
erro, farpas. Uma coisa chata.


Saí da reunião deprimido. Mais do que isso. Arrasado. Queria ter o poder de retomar no tempo e apagar as últimas horas. Talvez até sem avaliar a exata dimensão do ocorrido Fosse arrependimento, fosse desolação, fosse angústia, aquele sentimento de querer desaparecer. Por mecanismos de defesa, psicanalíticos, tinha como resolver a frustração.Logo eu, paradigma de comportamentos, lisura, correção de atitudes, cometer tal deslize. Mas julguei que eu tinha que agir daquela maneira e naquele momento.

Interpretei como se o exigisse a verdade e a razão Caminho na dúvida: agi bem ou mal?


É claro que agi bem. Estava sendo ensinado um procedimento errado. Haveria de ser corrigido ali mesmo Mas poderia deixar para falar depois, em particular? Ou deixar para a reunião da próxima semana? Se isso fosse possível, agi mal Não. A hora era aprazada. Tinha que ser naquele momento. Se alguém saísse dali e devesse repetir o movimento, o faria errado porque aprendeu errado. Então agi bem Tudo bem. Mas não precisava ser eu.
Afinal, havia tantas pessoas ali, com maior grau de responsabilidade, mais antigos, com maior experiência, que poderiam se pronunciar. Então agi mal. É, mas eles eram visitantes. Tinha que ser alguém do nosso grupo, com coragem, aber falar e saber o que falar. E eu era, na reunião, o encarregado dos procedimentos ritualísticos. Deveria ser eu. Então agi bem Mas se todos se omitiram, porque eu iria me incomodar. Todos sabiam que o movimento fora ensinado errado. Todos, excluindo os novatos aprendizes, sabiam o
modo correto de faze-Io. Deixa assim. Então agi mal.


O que iriam pensar e comentar, as grandes autoridades ali presentes, o Chefe Geral,o Chefe Adjunto, os Chefes das co-irmãs, os visitantes? No mínimo, que ensinamentos errôneos são ministrados em nossa casa. Que não conhecemos a dinâmica correta. Então agi bem.


Deveria ter pensado que corrigir o instrutor ali, na frente de tanta gente, iria lhe ferir o orgulho e o amor próprio. Então agi mal. A coisa foi mal organizada. Deveria ter treinado antes. Deveriam ter avisado que seria dada aquela instrução naquele momento. E deveria ter competência para a
demonstração. Então agi bem.

Sabe aqueles três macacos do templo chinês: não vejo, não falo, não ouço. E não me indisponho com ninguém. Então agi mal.


Seríamos taxados de omissos (sabe e não fala) ou ignorantes (não fala porque não sabe)? Então agi bem.Agi bem, agi mal. Vale o silêncio nessa hora?
As pessoas se acomodam. E continuamos aqui, num silêncio virtuoso. Calma. Tolerância. Alguém vai dar um jeito. Ou vai ficar assim mesmo. Afinal, você não pode mudar o mundo. Sem essa de messianismo romântico. De missão
salvacionista.


Não mexe nisso. Não faz onda, não balança. Não fala. Não te mete. Deixa pra lá. Oque você vai ganhar com isso? Adianta alguma coisa? Vai resolver?


Acomodar-se ou incomodar-se?


Vale a pena você falar e ser chamado de antipático, de criador de caso? Com certeza é a melhor maneira de conseguir alguns ferrenhos inimigos. Ou ser bonzinho, compreensivo, sem se envolver muito, sem se comprometer muito?


Há momentos em que o silêncio é covardia

Ir.`. Ib Silva, Loja Regeneração Catarinense, 138 (GOB-SC)
Or. de Florianópolis-SC

Brasil Maçom
Brasil Maçom
Artigos: 100

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Descubra mais sobre Brasil Maçom

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading